A vacinação em Portugal e no Mundo

Covid-19. Maiores de 43 anos já podem agendar vacinação

Megan Jelinger

O pedido de marcação é feito no portal de autoagendamento da Direção-Geral da Saúde.

As pessoas com mais de 43 anos já podem agendar a vacinação contra a covid-19. O pedido de marcação é feito no portal de autoagendamento da Direção-Geral da Saúde.

O utente pode selecionar o local e a data para a vacinação que lhe são mais convenientes e depois terá de responder a uma mensagem para confirmar o agendamento.

A task force que coordena o plano de vacinação em Portugal já tinha anunciado que pretendia, na semana de 06 de junho, começar a vacinar a faixa etária dos 40 aos 49 anos e, na semana de 20 de junho, o grupo dos 30 aos 39.

O portal destinado ao autoagendamento entrou em funcionamento em 23 de abril, contemplando agora as pessoas acima dos 43 anos, depois de ter sido aberto para maiores de 45,50,55, 60 e 65 anos.

Mais de seis milhões de vacinas administradas em Portugal continental

Portugal continental ultrapassou este domingo a marca das seis milhões de doses de vacinas administradas contra a covid-19, das quais cerca de 3,8 milhões correspondem a primeiras doses e cerca de 2,2 milhões a segundas doses.

A informação foi divulgada em comunicado pelo Ministério da Saúde, segundo o qual 40% da população portuguesa (incluindo Regiões Autónomas) já recebeu pelo menos uma dose da vacina e mais de 22% já tem o esquema vacinal completo.

Especialistas garantem que reações adversas à vacina são normais

O Infarmed registou quase sete mil suspeitas de reações adversas à vacina contra a covid-19 em Portugal. Números que estão dentro do expectável e que não devem gerar preocupação, de acordo com os especialistas.

Do total de vacinas administradas - cinco milhões e meio até ao final de maio -, perto de sete mil podem ter provocado uma reação adversa, ou seja, em 0,12% dos casos em que foi administrada uma vacina contra a covid-19, o paciente pode ter tido algum efeito secundário nos dias seguintes.

Esta estatística não deve ser fonte de preocupação, defendem os especialistas, já que são habituais em reação a qualquer vacina.

Veja também: