Violência em Moçambique

Governo de Moçambique recusa ajuda militar internacional no combate aos terroristas

Enviados SIC

Rafael Homem

Rafael Homem

Repórter de Imagem

O relato dos enviados especiais da SIC e do Expresso em Pemba.

O Governo moçambicano diz que não vai aceitar ajuda militar internacional para combater o terrorismo no norte do país. Em entrevista aos enviados da SIC e do Expresso, o secretário de Estado para a província de Cabo Delgado explica que é uma questão de dignidade nacional. O governante assegura que a situação em Vila de Palma já está calma, mas o bispo pede mais assertividade.

Fugir foi a única solução para milhares de pessoas que habitavam na zona do conflito em Palma. A funga não começou apenas com os ataques de há 15 dias. No Campo 25 de Junho tem vindo a crescer desde que foi construído. Neste campo improvisado, vivem agora cerca de 44 mil deslocados dos conflitos da região de Cabo Delgado.

A época das chuvas atrai mais doenças como a malária, diarreias, tosse e febres e faltam recursos para responder às necessidades da população.

O receio de que a instabilidade destrua ainda mais o povo já martirizado, leva o bispo de Pemba a pedir mão firme na resposta. Em contrapartida, os governantes asseguram que, no terreno, a situação é calma e que o regresso das populações a casa estará para breve.

Armindo Ngunga, secretário de Estado para a Província de Cabo Delgado está confiante no desempenho das forças militares nacionais e não admite a intervenção internacional no combate aos jihadistas.