Mundo

Passageiro publica último post antes de embarcar no MH17

Antes da tragédia do voo MH17, um passageiro postou uma mensagem muito específica no seu facebook. Relembrando o acidente ainda tão presente da Companhia Malaysia Airlines, o holandês Cor Pan publicou uma foto do Boeing 777 onde iria embarcar com uma legenda bastante irónica: “Se o avião desaparecer, é assim que ele é”. O passageiro estaria longe de pensar que seriam estas as últimas palavras postadas.

Página oficial de Cor Pan (créditos: https://www.facebook.com/cor.pan.7?fref=ts)

Página oficial de Cor Pan (créditos: https://www.facebook.com/cor.pan.7?fref=ts)

Numa ironia bastante dolorosa um holandês, que se pensa ser um dos passageiros do voo abatido da Malaysia Airlines, publicou o post na sua página de Facebook momentos antes de embarcar.

A legenda seria apenas uma piada, uma espécie de lembrete ao desastre do voo MH370 que tinha caído sem deixar rasto, em março, pertencia à mesma companhia. Os comentários aos generalizavam-se com votos de "boas férias" e tudo o que é normal quando alguém viaja em lazer.

Quase imediatamente depois da história se difundir pelos meios de comunicação, os comentários alegres foram substituidos por condolências e partilhas de pesar pelo sucedido.

Até à data, a fotografia foi partilhada quase 12 mil vezes. A hashtag #CorPan já ganhou forma e corpo também no Twitter, onde muitos utilizadores expressam o seu pesar.

A imprensa britânica investigou sobre o caso para tirar a limpo as incertezas relativamente ao perfil de Cor Pan. Tendo em conta o número de voos à partida de Amesterdão, do aeroporto de Schipol, e a altura em que a fotografia foi publicada no Facebook, é provável que o holandês seja uma das mais de 300 vítimas mortais. Os dados do check-in no perfil do passageiro mostram ainda que o holandês estava, efetivamente, no aeroporto e que ia embarcar num voo marcado para as 12h15. O mesmo horário do voo MH17.

  • Avião que caiu na Ucrânia era um dos maiores bimotores do mundo

    Mundo

    O avião que caiu na Ucrânia tratava-se de um Boeing 777. O avião tinha capacidade até quatrocentas e quarenta pessoas e, a bordo, seguiam duzentas e noventa a cinco, 280 passageiros e 15 tripulantes. É um avião de longo alcance e está entre os maiores bimotores do mundo, segundo a fabricante norte-americana. Com 64 metros de comprimento e 61 de envergadura, pode atigir até 950 quilometros por hora.

  • Russos, separatistas e ucranianos trocam acusações sobre queda de avião malaio
    2:04

    Crise na Ucrânia

    Um avião de passageiros da Malaysia Airlines, com 295 pessoas a bordo, caiu na Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia. O Boeing 777 tinha descolado do aeroporto de Schipol na Holanda, rumo a Kuala Lumpur. A bordo seguiam 280 passageiros e 15 tripulantes. Há fortes indicações de que tenha sido abatido, sobre a região leste da Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia, controlada pelos separatistas. Russos, separatistas e ucranianos trocam acusações sobre queda de avião malaio.

  • Nuno Rogeiro e José Milhazes consideram que avião malaio pode ter sido abatido
    8:21

    Mundo

    Um avião de passageiros da Malaysia Airlines, com 295 pessoas a bordo, caiu na Ucrânia, perto da fronteira com a Rússia. Os comentadores SIC, Nuno Rogeiro e José Milhazes, analisam a tragédia e reúnem conclusões. As opções continuam em aberto mas tudo indica que o avião tenha sido confundido com um alvo militar. As companhias tinham informações para evitar operar na zona onde o avião viajava mas não havia qualquer interdição. Neste momento, sabe-se que os separatistas pró-russos têm tecnologia para abater alvos a mais de 10 mil metros, o que torna a hipótese do abate credível, e o espaço é apenas ocupado pela força aérea ucraniana. Para já, as caixas negras estão nas mãos dos separatistas que, ao que tudo indica, as vão entregar a Moscovo, para respectiva análise. A Rússia pode depois decidir se avança para uma investigação internacional ou não. Barack Obama já ofereceu ajuda norte-americana.

  • Governo desconhece se há portugueses a bordo de avião malaio

    Crise na Ucrânia

    O Governo português desconhece, por enquanto, se existiam portugueses a bordo do avião da Malaysia Airlines que se despenhou esta quinta-feira no leste da Ucrânia com 295 pessoas a bordo, disse o secretário de Estado das Comunidades. A secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas está em contacto com a embaixada em Haia e a fazer todas as diligências para apurar as nacionalidades dos passageiros que seguiam a bordo do aparelho.