Mundo

Emergência no Conselho de Segurança da ONU após míssil da Coreia do Norte

KCNA KCNA

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai realizar esta tarde uma reunião de emergência em Nova Iorque a pedido de Tóquio e de Washington, na sequência do lançamento de um míssil da Coreia do Norte.

A convocatória da reunião do Conselho de Segurança da ONU - agendada para esta tarde, de acordo com diplomatas citados pela agência de notícias francesa AFP - tem lugar depois de o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, terem acordado, ao telefone, "aumentar a pressão sobre a Coreia do Norte".

Na conversa telefónica, que durou cerca de 40 minutos, os dois líderes analisaram o lançamento de um míssil pela Coreia do Norte que, pela primeira vez desde 2009, sobrevoou o arquipélago japonês antes de cair a leste da ilha de Hokkaido em águas do Pacífico.

O míssil disparado pelas 6:30 (23:00 de segunda-feira em Lisboa), a partir das proximidades de Pyongyang, caiu a cerca de 1.180 quilómetros do Cabo de Erimo, na ilha de Hokkaido, após percorrer mais de 2.700 quilómetros e alcançar o seu pico a aproximadamente 550 quilómetros de altura antes de cair no mar, de acordo com informações do Executivo japonês.

Lusa

  • A resposta do Sul ao míssil da Coreia do Norte
    1:01

    Mundo

    Horas depois do lançamento de Pyongyang, a força aérea sul coreana realizou um exercício militar em que simulou a destruição da Coreia do Norte. O teste foi confirmado pelo gabinete do Presidente da Coreia do Sul. Washington e Seul concordaram esta madrugada em aplicar sanções mais duras à Coreia do Norte. Donald Trump terá acordado o mesmo com o Presidente do Japão, numa conversa telefónica em que concordaram em intensificar a pressão sobre o regime de Kim Jong Un.

  • Autoridades alertam população japonesa para procurar refúgio
    1:27

    Mundo

    Perante a ameaça nuclear da Coreia do Norte, o Japão ativou o sistema de alerta na região norte do país. Na zona foram ouvidas as sirenes que avisam os residentes que devem procurar refúgio em edifícios seguros ou em abrigos subterrâneos. O canal de televisão japonês NHK assegura que não houve sinais de perigo e garante que o projétil acabou por se partir em três e despenhar-se no mar do Japão, a leste da ilha de Hokkaido.