Mundo

Australiano acusado de quase 90 crimes de homicídio pelo ataque às mesquitas na Nova Zelândia

Brenton Tarrant ao ser acusado do duplo atentado contra duas mesquitas na Nova Zelândia no 1.º interrogatório judicial em Christchurch

POOL New

Polícia neozelandesa avançou com 50 acusações de homicídio e 39 por tentativa de homicídio contra o australiano Brenton Tarrant, apontado como autor do atentado terrorista em duas mesquitas em Christchurch.

As autoridades indicaram, em comunicado divulgado nas redes sociais, que consideram a possibilidade de apresentar outras acusações relacionadas com o ataque efetuado naqueles locais religiosos.

Tarrant, que foi preso em 15 de março, dia em que cometeu o massacre, deve testemunhar na sexta-feira por videoconferência, a partir da prisão de Paremoremo, em Auckland, onde está detido.

Na audiência de 16 de março, no dia após o ataque, Tarrant recusou ser representado por um advogado e disse que planeava defender-se a si mesmo durante o julgamento.

O homem, de 28 anos, permanece lúcido e sem qualquer tipo de arrependimento, indicou então o advogado Richard Peters, que foi inicialmente designado para defender o australiano.

Peters chegou a afirmar que o réu não parecia ser mentalmente instável, apesar de expressar a sua ideologia extremista.

Segundo o advogado, Tarrant procura usar o processo para fazer eco da sua ideologia.

Cinquenta pessoas perderam a vida e outras tantas ficaram feridas no ataque indiscriminado contra muçulmanos que se encontravam nas duas mesquitas antes da oração do meio-dia de 15 de março.