Mundo

1 milhão de espécies em vias de extinção

Siphiwe Sibeko / Reuters

Último relatório da ONU pinta de negro futuro do planeta e da humanidade.

Há um milhão de espécies animais e vegetais em vias de extinção e o ritmo está a acelerar, alerta o último relatório de peritos da ONU. E a sobrevivência da humanidade está em causa se não houver uma "mudança profunda" dos modelos de produção e consumo.

O relatório anual do Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES) pinta um quadro negro para o futuro do ser humano, que depende da natureza para beber, respirar, comer.

"Estamos a corroer as próprias fundações das nossas economias, dos nossos meios de subsistência, da segurança alimentar, da saúde e da qualidade de vida em todo o mundo", descreve o presidente do IPBES, Robert Watson.

Desflorestação, agricultura intensiva, pesca excessiva, urbanização descontrolada, escavação mineira: 75% da superfície da Terra está "gravemente alterada" pelas atividades humanas e 66% do meio aquático também está prejudicado.

Resultado: cerca de 1 milhão de espécies animais e vegetais, das 8 milhões que a Terra tem, estão ameaçadas de extinção, o que vai acontecer a muitas delas "nas próximas décadas".

Uma constatação que está de acordo - embora não expresso no relatório - com aquilo que vários cientistas têm descrito há vários anos: o início da 6.ª extinção em massa e a 1.º da responsabilidade do Homem.

"Ainda não é demasiado tarde para agir, mas para isso temos de começar a agir já" através de uma "mudança transformadora" da nossa sociedade para abrandar os "motores" da perda de biodiversidade que ameaça o Homem tanto quanto as alterações climáticas, avisa Robert Watson.

Os 5 principais culpados

Os cinco principais culpados estão claramente identificados no texto sobre o qual trabalharam 450 peritos durante três anos e que hoje foi apresentado em Paris:

  • a utilização intensiva das terras - agricultura, desflorestação
  • exploração excessiva dos recursos - pesca, caça
  • as alterações climáticas
  • as poluições
  • as espécies invasoras

E mesmo que seja cumprido o Acordo de Paris sobre a limitação do aquecimento a mais 2ºC que na era pré-industrial, as alterações climáticas vão agravar todos os outros fatores.

Espécies já extintas e outras em risco

Pelo menos 680 espécies com coluna vertebral já estão extintas desde 1960 e o relatório refere que desapareceram 559 raças domesticadas de mamíferos usados para alimentação, acrescenta a AP.

Mais de 40% das espécies de anfíbios do mundo, mais de um terço dos mamíferos marinhos e cerca de um terço dos tubarões e peixes estão ameaçados de extinção.

De acordo com a AP, o relatório baseia-se na pesquisa da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que é composta por biólogos que mantêm uma lista das espécies ameaçadas.

Em março, a IUCN calculou que existem 27.159 espécies em perigo, ameaçadas de extinção ou extintas na natureza entre quase 100 mil espécies analisadas em profundidade por estes biólogos.

Neste grupo estão 1.233 espécies de mamíferos, 1.492 espécies de aves e 2.341 espécies de peixes. Quase metade das espécies ameaçadas são plantas.