Mundo

Jeremy Corbyn vai discursar na manifestação contra Trump em Londres

ANDY RAIN

O líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, vai discursar para os participantes de uma manifestação na terça-feira contra o Presidente dos EUA, Donald Trump, que esta segunda-feira iniciou uma visita de Estado ao Reino Unido.

A confirmação dada pelo partido Trabalhista segue-se a uma mensagem publicada na rede social Twitter, em que Corbyn apelava à participação.

"O protesto desta terça-feira contra a visita de Estado de Donald Trump é uma oportunidade para mostrar solidariedade com aqueles que ele atacou na América, no mundo e no nosso próprio país - incluindo, nesta manhã, Sadiq Khan".

O líder do 'Labour' referia-se a uma mensagem de Trump a chamar o 'Mayor' de Londres de "falhado", após este criticar as políticas contra os imigrantes, as restrições contra visitantes de países islâmicos ou o apoio a grupos supremacistas.

Onda de protestos

Já esta manhã, um grupo de ativistas da organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional tinha afixado numa das pontes sobre o rio Tamisa junto à embaixada dos EUA faixas onde se lê, em inglês, "Resista a Trump", "Resista à Crueldade", "Resista ao Ódio" ou "Resista ao Racismo".

A manifestação de terça-feira, onde deverá novamente flutuar o famoso 'baby blimp', um balão de seis metros que representa Trump de fralda e um telemóvel na mão, não poderá chegar até Westminster devido ao corte de estradas por questões de segurança.

O principal foco dos protestos será a residência oficial da primeira-ministra, Theresa May, onde esta vai receber Donald Trump para almoço de trabalho, seguindo de uma conferência de imprensa.

Hoje, uma manifestação organizada pelo mesmo movimento chamado "Together Against Trump", apelou a uma concentração junto ao palácio de Buckingham, onde a rainha Isabel II oferece esta noite um banquete de Estado ao presidente dos EUA, primeira dama, Melania, e a dezenas de convidados.

O boicote a este evento já tinha sido confirmado por vários dirigentes políticos, nomeadamente Corbyn, o líder dos Liberais Democratas, Vince Cable, e o líder da Câmara dos Comuns, John Bercow, o que contribuiu para que Trump não tenha sido convidado a discursar no parlamento britânico, como fizeram os antecessores.

O programa da visita de Trump

O banquete será o culminar do primeiro de três dias de visita de Estado, que começou com esta manhã uma receção e guarda de honra também no palácio real, seguido por um almoço com a rainha, uma visita à Abadia de Westminster, onde depositou flores no túmulo do Soldado Desconhecido, e chá em Clarence House com o herdeiro do trono, príncipe Carlos, e a mulher, Camilla.

Na terça-feira está ainda no programa um pequeno-almoço de negócios com empresários dos dois países, de manhã, e um jantar de agradecimento na residência do Embaixador dos EUA, no qual o príncipe Carlos vai participar em nome da rainha.

Na quarta-feira, Trump, a rainha o príncipe Carlos e outros chefes de Estado ou de governo participam num evento comemorativo em Portsmouth, no sul de Inglaterra do 75.º aniversário do desembarque do Dia D das forças aliadas que contribuiu para a derrota da invasão nazi na II Guerra Mundial.

Lusa

  • Porque há tantos incêndios em Portugal?
    2:48