Mundo

OMS denuncia ações das forças de segurança contra doentes, médicos e hospitais no Sudão

Stringer .

Hospitais de campanha para tratar os manifestantes feridos foram incendiados e os funcionários atacados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) denunciou hoje ações das forças de segurança contra doentes, pessoal médico e infraestruturas de saúde no Sudão, onde a repressão militar contra civis terá provocado mais de 100 mortes.

De acordo com a agência das Nações Unidas para a saúde, as forças de segurança estão a "fazer incursões nos hospitais de Cartum" obrigando a encerrar os serviços de emergência e saúde.

Numa declaração divulgada hoje, a OMS considera que "estas ações representam uma total e inaceitável violação da legislação internacional de direitos humanos" e devem "parar imediatamente".

De acordo com a organização, hospitais de campanha montados para tratar os manifestantes feridos foram incendiados, os equipamentos médicos vandalizados e os funcionários atacados.

Há ainda relatos de violações do pessoal de sexo feminino.

Os militares, que detêm o poder no Sudão, lançaram, na segunda-feira, uma operação para dispersar um acampamento de manifestantes que desde abril se mantinha em frente ao Quartel-General das Forças Armadas, em Cartum.

Uma organização de médicos sudaneses adiantou que 113 pessoas morreram nesta operação e em ações violentas ao longo da semana, mas o Governo assegura que as vítimas mortais são 61.

O Sudão vive desde dezembro uma revolução popular sem precedentes que conduziu à deposição, em abril, do Presidente Omar al-Bashir, substituído por um Conselho Militar Transitório.

Apesar da mudança, os manifestantes continuaram nas ruas, reclamando uma transferência de poder para os civis.

LUSA

  • Brincar ao ar livre como remédio natural
    0:21
  • Como não gastar dinheiro com os números começados por 707
    6:46