Mundo

24 condenados à prisão perpétua na Turquia por envolvimento no golpe de 2016

Petros Karadjias

Antigo chefe da Força Aérea e um ex-assessor do Presidente Recep Erdogan entre os que receberam a pena perpétua de um total de 224 pessoas julgadas, incluindo 20 ex-generais.

Um tribunal turco condenou hoje a prisão perpétua 24 pessoas, entre os quais um antigo chefe da Força Aérea e um ex-assessor do Presidente Recep Erdogan, num dos principais julgamentos do golpe fracassado de 2016.

Entre os condenados, 17 receberam um cúmulo jurídico de 141 penas de prisão perpétua agravadas por "tentativa de perturbação da ordem constitucional", o assassinato de 139 pessoas e a "tentativa de assassinar o Presidente", noticiou a agência estatal Anadolu.

Ao todo, 224 pessoas, incluindo 20 ex-generais, foram julgados, sendo que outras sentenças devem surgir durante o dia de hoje.

O ex-chefe da Força Aérea Akin Öztürk e o ex-assessor de campo de Erdogan Ali Yazici estão entre os condenados a prisão perpétua, segundo a Anadolu.

Segundo a agência, os casos de 13 acusados, incluindo o de Fethullah Gülen, acusado por Ancara de ser o mentor do golpe fracassado, foram dissociados deste julgamento.

O ministro da Justiça turco, Abdülhamit Gül, saudou estas condenações, elogiando a justiça "exemplar" da Turquia.

"A audiência foi realizada na prisão de Sincan, onde um enorme salão foi construído especificamente para acomodar os julgamentos relacionados ao golpe fracassado."

O Golpe de Estado

A Turquia foi alvo de uma tentativa de golpe de Estado a 15 de julho de 2016, tendo a investida sido supostamente orquestrada por uma fação pertencente às Forças Armadas Turcas.

Apesar de a tentativa não ter atingido a sua finalidade, várias propriedades e edifícios ficaram danificados, mais de mil pessoas ficaram feridas e outras centenas morreram.

Em Ancara, o Parlamento Nacional e o Palácio Presidencial foram bombardeados, tendo sido disparados tiros perto dos principais aeroportos de Ancara e Istambul.

As reações, tanto em nível nacional como internacional, foram amplamente desfavoráveis à tentativa de golpe. Os principais partidos de oposição condenaram o movimento, enquanto vários líderes internacionais, notadamente da União Europeia, e a NATO pediram respeito às instituições democráticas na Turquia e aos seus representantes eleitos.

A primeira reação oficial veio do primeiro-ministro Binali Yildirim, que, um dia depois da tentativa golpista, declarou aos meios de comunicação que a situação estava "completamente sob controle".

Lusa

  • Turquia - uma Democracia à medida

    Grande Reportagem SIC

    A filha que "Ali" nunca conheceu tem 2 anos e está na prisão com a mãe. É um dos quase mil bebés e crianças que estão com familiares nas cadeias turcas. "Ali", nome que escolheu para a reportagem, está em Lisboa há quase 3 anos. Sabe que será preso no dia em que voltar à Turquia. O medo de represálias sobre a mulher e a filha obrigam-no a esconder a identidade, mas não os acontecimentos que lhe viraram a vida do avesso. Veio para Portugal pouco depois do golpe de Estado de julho de 2016 a pretexto de um pós-doutoramento. O plano era que a mulher, grávida de 5 meses, se juntasse depois do nascimento da criança. Mas como milhares de professores turcos, a mulher de "Ali" foi presa, com a filha de 8 meses. "Ali" é um dos milhares de turcos no exílio. Diz que a Turquia já não é uma democracia e acusa o presidente Recep Erdogan de ser responsável por um "genocídio social".