Mundo

Principal ideólogo dos Khmer Vermelho condenado por genocídio no Camboja morre aos 93 anos

Pring Samrang

Nuon Chea era conhecido como " Irmão N.º 2" do líder do regime que governou o Camboja durante os quatro anos nos quais mais de um quarto da população do país foi morta.

MAK REMISSA

O principal ideólogo do regime comunista cambojano do Khmer Vermelho, Nuon Chea, condenado por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra morreu no domingo, com 93 anos.

Nuon Chea era o braço direito do líder do regime que governou o Camboja de 1975 a 1979, período durante o qual o grupo foi responsável pela morte de cerca de 1,7 milhão de pessoas, motivada pela fome, doença, trabalho forçado e execuções.

Nuon Chea estava a cumprir uma pena de prisão perpétua depois de ter sido condenado por um tribunal especial cambojano apoiado pela ONU, mas nunca admitiu a sua culpa.

Nos julgamentos do Khmer Vermelho, afirmou em tribunal que ele e seus companheiros não eram "pessoas más", negando a responsabilidade por qualquer morte.

Durante décadas após a queda do Khmer Vermelho, Nuon Chea viveu tranquilamente com sua família em Pailin, uma antiga fortaleza guerrilheira perto da fronteira com a Tailândia.

"Eu não era um criminoso de guerra", disse numa entrevista concedida em 2004 à agência de notícias Associated Press.

"Eu admito que houve um erro. Mas eu tinha minha ideologia. Eu queria libertar meu país. Eu queria que as pessoas tivessem bem-estar", adiantou.

Chea foi detido em 2007 para ser julgado junto com outros líderes sobreviventes do Khmer Vermelho e acusado de crimes contra a humanidade, genocídio, perseguição religiosa, homicídio e tortura.

Durante seu depoimento, insistiu que o regime não era responsável por quaisquer atrocidades e reiterou que os corpos encontrados nas sepulturas em massa descobertas após a queda do regime do Khmer Vermelho pertenciam a cambojanos mortos pelas tropas vietnamitas.

"Esses crimes de guerra e crimes contra a humanidade não foram cometidos pelo povo cambojano (..) Foram os vietnamitas que mataram os cambojanos", insistiu Nuon Chea.

Com Lusa