Mundo

Presidente da Duma acusa Navalny de ser espião de países ocidentais

Shamil Zhumatov

Navalny acusou hoje Putin de ter mandado envenená-lo.

O presidente da Duma, câmara baixa do Parlamento russo, acusou hoje o oposicionista Alexei Navalny de trabalhar para os serviços secretos ocidentais, acrescentando que Vladimir Putin lhe "salvou" a vida.

"Navalny não tem vergonha e é um vilão. Putin salvou-lhe a vida (...) é evidente que Navalny trabalha com os serviços secretos especiais e para autoridades de países ocidentais", acusa Viatcheslav Volodine em comunicado.

O documento do presidente da Duma é divulgado após Navalny ter afirmado em entrevista à Der Spiegel, na Alemanha, que Vladimir Putin está "por detrás" do envenenamento de que foi vítima.

Navalny, que acusou o presidente russo de ter orquestrado o envenenamento, disse ainda à revista alemã que tenciona regressar à Rússia logo que esteja curado.

"Não vou dar ao Putin o presente de não regressar à Rússia", disse Navalny na entrevista.

"Não regressar significaria que Putin atingira o objetivo pretendido" disse Navalny, que ​​​​​continua em convalescença na Alemanha depois de ter estado internado num hospital de Berlim.

"Tenho o dever de me manter como sou: alguém que não tem medo e eu não estou com medo", afirmou ainda o principal oposicionista do Kremlin.

O político russo foi transferido para a capital alemã após uma deslocação à Sibéria, onde terá sido envenenado com um agente nervoso do tipo Novitchok, uma substância desenvolvida por militares soviéticos nos anos 1970.

Navalny, 44 anos, ficou doente no dia 20 de agosto quando se encontrava a bordo de um avião sobre a Sibéria para onde se tinha deslocado para atos de campanha para as eleições regionais.

Três laboratórios europeus concluíram que foi envenenado pelo agente nervoso do tipo Novitchok.