Mundo

Reino Unido sanciona responsáveis russos pelo alegado envenenamento de Navalny

Dmitri Lovetsky

Alexei Navalny, o principal opositor russo, foi envenenado a 22 de agosto em Omsk, na Sibéria.

O Reino Unido aplicou esta quinta-feira sanções a sete autoridades russas, incluindo o chefe dos serviços de informação e o empresário Evguény Prigojine, pelo seu alegado papel no envenenamento do político Alexei Navalny e pelo envolvimento no conflito na Líbia.

"O Reino Unido vai continuar a trabalhar em estreita colaboração com os parceiros internacionais para contestar o uso de armas químicas pela Rússia", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Dominic Raab, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Seis funcionários, incluindo o diretor dos Serviços de Segurança da Rússia (FSB), Alexander Bortnikov, e um dos funcionários da administração presidencial, Sergei Kirienko, foram punidos pela sua associação ao envenenamento de Alexei Navalny, que adoeceu gravemente em 20 de agosto a bordo do um avião na Sibéria e que está atualmente em recuperação na Alemanha.

A mensagem do ministro britânico surge após o Conselho da União Europeia (UE) anunciar esta quinta-feira ter adotado sanções contra seis indivíduos e uma entidade envolvidos na "tentativa de assassínio" do opositor russo Alexei Navalny com um agente neurotóxico.

"O Reino Unido e os seus parceiros estão convencidos de que não há outra explicação plausível para o envenenamento de Navalny que não seja o envolvimento e responsabilidade da Rússia", explicou a diplomacia britânica, em comunicado.

Londres também sancionou, assim como a União Europeia (UE), o empresário Evguéni Prigojine, considerado "responsável por uma significativa quantidade de mercenários estrangeiros na Líbia e por múltiplas violações do embargo de armas da ONU àquele país".

Próximo do Presidente russo, o empresário - que ganhou o cognome de "chef de Putin" porque a sua empresa de 'catering' trabalhava para o Kremlin - é suspeito de estar ligado a uma "fábrica de 'trolls'" (uma empresa que executa campanhas de desinformação na internet) que Washington acusa de interferir nas eleições.

O principal opositor russo, Alexei Navalny, foi envenenado a 22 de agosto em Omsk, na Sibéria, numa deslocação no âmbito da campanha eleitoral.

Após ter ficado em coma num hospital da região, Navalny foi transferido para o hospital Charité, em Berlim, onde foi detetado um agente tóxico do grupo Novichok no sangue e urina do paciente russo.

A Organização para a Proibição de Armas Químicas também confirmou o uso da mesma substância para envenenar Navalny, referindo que o Novichok foi projetado por especialistas soviéticos para fins militares.

  • Covid-19. Conselho de Ministros anuncia hoje novas medidas

    Coronavírus

    O Conselho de Ministros reúne-se para decretar "ações imediatas" de controlo da pandemia. O recolher obrigatório é uma das propostas apresentadas pelo Governo aos partidos esta 6ª feira. Os EUA ultrapassaram os 9 milhões de casos de Covid-19. Protestos violentos em vários países contra as medidas de combate à pandemia.

    Ao Minuto

    SIC Notícias