Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova destituição de Donald Trump

Tom Brenner

Falta ainda a aprovação do Senado, de maioria republicana.

Donald trump foi impugnado pela segunda vez. Bastavam 218 votos para aprovar a impugnação e foram recolhidos 232, incluindo o de 10 republicanos que quiseram punir o Presidente por "incitamento à rebelião". Esta decisão só terá efeito se for aprovada pelo Senado, mas ainda não há uma data marcada para a votação.

Donald Trump é acusado de incitação à violência e considerado culpado pelo ataque ao Capitólio norte-americano.

Apesar da obtenção de uma maioria na Câmara de Representantes para iniciar o julgamento político de Trump, é necessária a aprovação de uma maioria de 2/3 no Senado, ainda controlado pelos republicanos, para conseguir a sua remoção do Presidente cessante.

Um afastamento de Trump não deverá ocorrer antes da tomada de posse de Biden, no dia 20, depois de o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, ter dito que não convocará a câmara alta norte-americana antes de 19 de janeiro.

Processo histórico

A poucos dias da tomada de posse de Joe Biden, Donald Trump enfrenta um processo histórico de destituição. É a primeira vez que um Presidente norte-americano passa por dois impeachments durante um mandato.

Donald Trump diz que este processo só vai servir para dividir ainda mais o país.

Pelosi acusa Trump de ser um "perigo claro e presente" para os EUA

A líder democrata da Câmara de Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, disse esta quarta-feira que o Presidente Donald Trump representa "um perigo claro e presente", pedindo para que ele seja destituído num julgamento político imediato.

Pelosi disse que os membros do Congresso "experimentaram a insurreição que violou a santidade do Capitólio do povo e tentou derrubar a vontade devidamente registada dos eleitores norte-americanos".

EUA reforçam para 20.000 o número de militares para a tomada de posse de Biden

O chefe da Polícia de Washington, Robert Contee, anunciou esta quarta-feira que aumentou para mais de 20.000 o número de soldados da Guarda Nacional destacados para a cerimónia de investidura de Joe Biden, a 20 de janeiro.

Até agora, o número máximo de soldados a serem destacados para a tomada de posse do Presidente eleito foi estabelecido entre 10.000 e 15.000, muitos dos quais estiveram aquartelados na noite passada dentro do Capitólio, que a 6 de janeiro foi atacado por uma multidão violenta de apoiantes do Presidente cessante, Donald Trump.

A invasão do Capitólio

A 6 de janeiro, enquanto o Congresso se reunia para certificar a vitória eleitoral de Biden, uma multidão violenta invadiu o Capitólio, obrigando à interrupção de trabalhos por várias horas e provocando cinco mortes.