Mundo

Japão vai despejar no mar água tratada mas ainda radioativa de Fukushima, China e Coreia alarmadas

Yomiuri Yomiuri

Foi removida a maior parte dos elementos radioativos, mas a medida é controversa.

O Governo japonês decidiu hoje que a água processada armazenada na central nuclear de Fukushima será descarregada no Oceano Pacífico, após tratamento para remover a maior parte dos elementos radioativos.

A controversa medida visa resolver a acumulação de água radioativa na instalação nuclear, um dos problemas mais urgentes no complexo processo de desativação da central que foi danificada pelo terramoto e tsunami de março de 2011.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, tomou hoje a decisão após consultas com o operador da central, Tokyo Electric Power, o regulador nuclear japonês, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e as autoridades locais em Fukushima, entre outras partes.

A libertação controlada de água da fábrica foi a medida que as autoridades japonesas tinham optado desde o início do ano passado, considerando-a a mais viável entre uma série de outras opções tecnicamente mais complexas.

A decisão tinha sido adiada devido à oposição do Governo de Fukushima e das associações de pescadores locais, que acreditam que o derrame poderia prejudicar ainda mais as suas atividades económicas.

As autoridades japonesas consideram que o derrame não irá gerar qualquer risco para a saúde humana porque os níveis de trítio libertados no mar ficarão abaixo das normas sanitárias nacionais - a misturar com a água do mar - e defendem que esta é uma prática comum na indústria nuclear de outros países.

A instalação de Fukushima Daiichi tem um sistema de processamento de água que remove a maioria dos materiais radioativos considerados perigosos, com exceção do trítio, um isótopo natural mas de baixa concentração.

Mais de 1,25 milhões de toneladas de água processada são armazenadas nas instalações da Daiichi, e espera-se que a capacidade para o seu armazenamento se esgote no outono do próximo ano ao ritmo atual a que está a ser gerada.

China e Coreia do Sul alarmadas com descarga no mar de água radioativa de Fukushima

Antes mesmo de formalmente tomada a decisão, a China disse ter comunicado a sua "séria preocupação" ao Japão, pedindo ao governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga que tome uma decisão que acautele o interesse público global, bem como a saúde e segurança dos cidadãos chineses.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da China, "o Japão não pode menosprezar ou ignorar" as críticas globais sobre a questão, e "não deve prejudicar mais o meio ambiente marinho, a segurança alimentar e a saúde humana".

Citado pela agência Kyodo, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores sul-coreano, disse na segunda-feira que despejar água radioativa de Fukushima "afetaria direta e indiretamente a segurança das pessoas e do meio ambiente vizinho".

"Seria difícil aceitar o despejo da água no mar se o lado japonês tomar uma decisão sem consulta suficiente", disse o porta-voz, salientando que Coreia do Sul "responderá fortalecendo a cooperação" com a Agência Internacional de Energia Atómica.

O Governo japonês já tinha afirmado que não era possível adiar a decisão por mais tempo, dado que a capacidade de armazenagem dos tanques de água na central, que continuam a receber líquido usado para arrefecer combustível nuclear, deverá esgotar-se em 2022, 11 anos depois de a central ter sido gravemente afetada por um terramoto e tsunami.

Terramoto, tsunami e acidente nuclear atingiram Fukushima há 10 anos