Mundo

Presidente do Haiti assassinado a tiro em casa em Port-au-Prince

Presidente do Haiti, Moise Jovenel

Reuters

Grupo de desconhecidos atacou a residência oficial durante a noite.

Um grupo de indivíduos não identificados atacou a residência particular do Presidente haitiano Jovenel Moise em Port-au-Prince durante a noite e matou-o a tiro, disse o primeiro-ministro interino Claude Joseph em comunicado.

A mulher do Presidente, Martine Moise, ficou ferida no ataque e está hospitalizada, acrescentou Claude Joseph. No comunicado em que classifica como um "ato odioso, desumano e bárbaro", apela à calma da população e assegurando a manutenção da ordem pela polícia e pelo exército.

“O Presidente foi assassinado em sua casa por estrangeiros que falavam inglês e espanhol. Atacaram a residência do Presidente da República”, declarou Claude Joseph, citado pela agência France-Presse. "A situação de segurança está sob controlo", garantiu.

O homicídio acontece numa altura de grande instabilidade política e económica e de aumento da violência de gangues no país das Caraíbas considerado como um dos mais pobres do mundo e o mais pobre do continente americano.

Protestos contra o Presidente do Haiti em Port-au-Prince

Protestos contra o Presidente do Haiti em Port-au-Prince

JEAN MARC HERVE ABELARD

Um país à beira da anarquia

Homem de negócios, Jovenel Moise, de 53 anos, foi eleito Presidente do Haiti em 2016 e assumiu funções a 7 de fevereiro de 2017.

O Haiti é um país com uma elevada insegurança, com inúmeros sequestros e pedidos de resgates realizados por gangues que gozam de uma quase impunidade total.

Juvenal Moise era acusado de inação perante a crise e era contestado por uma grande parte da população.

Receando que, neste contexto, o país fosse levado a uma anarquia generalizada, o Conselho de Segurança da ONU, os Estados Unidos e a Europa apelaram à realização de eleições legislativas e presidenciais livres e transparentes até o final de 2021.

Jovenel Moïse anunciou na passada segunda-feira a nomeação de um novo primeiro-ministro, Ariel Henry, com a missão de realizar tais eleições.

VEJA TAMBÉM:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro