Mundo

Presidente do Haiti assassinado a tiro em casa em Port-au-Prince

Presidente do Haiti, Moise Jovenel

Reuters

Grupo de desconhecidos atacou a residência oficial durante a noite.

Um grupo de indivíduos não identificados atacou a residência particular do Presidente haitiano Jovenel Moise em Port-au-Prince durante a noite e matou-o a tiro, disse o primeiro-ministro interino Claude Joseph em comunicado.

A mulher do Presidente, Martine Moise, ficou ferida no ataque e está hospitalizada, acrescentou Claude Joseph. No comunicado em que classifica como um "ato odioso, desumano e bárbaro", apela à calma da população e assegurando a manutenção da ordem pela polícia e pelo exército.

“O Presidente foi assassinado em sua casa por estrangeiros que falavam inglês e espanhol. Atacaram a residência do Presidente da República”, declarou Claude Joseph, citado pela agência France-Presse. "A situação de segurança está sob controlo", garantiu.

O homicídio acontece numa altura de grande instabilidade política e económica e de aumento da violência de gangues no país das Caraíbas considerado como um dos mais pobres do mundo e o mais pobre do continente americano.

Protestos contra o Presidente do Haiti em Port-au-Prince

Protestos contra o Presidente do Haiti em Port-au-Prince

JEAN MARC HERVE ABELARD

Um país à beira da anarquia

Homem de negócios, Jovenel Moise, de 53 anos, foi eleito Presidente do Haiti em 2016 e assumiu funções a 7 de fevereiro de 2017.

O Haiti é um país com uma elevada insegurança, com inúmeros sequestros e pedidos de resgates realizados por gangues que gozam de uma quase impunidade total.

Juvenal Moise era acusado de inação perante a crise e era contestado por uma grande parte da população.

Receando que, neste contexto, o país fosse levado a uma anarquia generalizada, o Conselho de Segurança da ONU, os Estados Unidos e a Europa apelaram à realização de eleições legislativas e presidenciais livres e transparentes até o final de 2021.

Jovenel Moïse anunciou na passada segunda-feira a nomeação de um novo primeiro-ministro, Ariel Henry, com a missão de realizar tais eleições.

VEJA TAMBÉM:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia