Mundo

Governo bielorrusso bloqueia meios de comunicação social e detém jornalistas

Canva

Segundo a Associação de Jornalistas da Bielorrússia, 27 jornalistas estão atualmente detidos.

As autoridades bielorrussas bloquearam o portal online de um meio de comunicação, detiveram vários jornalistas e efetuaram buscas que envolveram três outros órgãos de media dissidentes do regime e independentes.

O Ministério da Informação da Bielorrússia afirmou que o bloqueio do portal do semanário Nasha Niva se deveu à divulgação de informações ilegais.

A Associação de Jornalistas da Bielorrússia (BAJ, na sigla em inglês) disse que as autoridades realizaram buscas nas redações do Nasha Niva, detiveram o editor-chefe Yahor Martsinovich e o editor Andrey Skurko e revistaram os seus apartamentos, "sob o pretexto de combater o extremismo".

"A repressão contra os meios de comunicação independentes na Bielorrússia continua", disse o presidente da BAJ, Andrei Bastunets.

"As autoridades decidiram que podem privar milhões de cidadãos de informação. As autoridades veem os jornalistas e a informação independente como os seus principais inimigos", sublinha.

Agentes da agência de segurança estatal bielorrussa, que ainda mantêm o nome KGB, também realizaram buscas esta quinta-feira em escritórios de outros dois meios de comunicação regionais, o Brest Gazette, na cidade de Brest, e o Intex-press, na cidade de Baranavichy.

Os agentes do KGB ainda detiveram Ihar Kazmerchak, o editor do portal de notícias Orsha.eu, e revistaram a habitação do fotógrafo Dzyanis Dubkou, na cidade de Orsha.

Um jornalista do Nasha Niva, Harbatsevich, comparou a repressão à ação anterior das autoridades contra o portal noticioso independente Tut, que viu o seu website bloqueado e 12 dos seus jornalistas detidos no passado mês de maio.

Nasha Niva, o jornal fundado em 1906, é o meio de comunicação mais antigo da Bielorrússia e conta com mais de 100.000 leitores mensais.

O Nasha Niva, juntamente com o portal Tut, dinamizaram protestos contra a reeleição considerada fraudulenta do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, em agosto de 2020.

As autoridades responderam às manifestações com uma repressão maciça que contou com a detenção de mais de 35.000 pessoas e milhares de cidadãos espancados pela polícia.

Figuras importantes da oposição foram presas ou forçadas a abandonar o país, como a principal candidata da oposição, Sviatlana Tsikhanouskaya, que fugiu da Bielorrússia depois das últimas eleições.

"O regime tem tanto medo da verdade que bloqueia todos os meios de comunicação independentes, nega a acreditação a jornalistas estrangeiros, fecha gabinetes editoriais, bloqueia editoriais e coloca editores atrás das grades", disse Tsikhanouskaya, incentivando os bielorrussos a subscrever canais de comunicação pela rede social Telegram.

"Eles esperam que se raptarem jornalistas e fecharem os meios de comunicação social, as pessoas esqueçam as falsificações, a violência e as repressões do regime". Mas a nossa memória e a verdade são mais fortes do que isso", acrescentou.

A União Europeia e os Estados Unidos responderam à repressão reforçando as sanções aplicadas na Bielorrússia, depois do Governo de Lukashenko ter desviado um avião para prender Roman Protasevich, um jornalista do canal independente Nexta.

Lukashenko acusa o Ocidente de tentar limitar a soberania da Bielorrússia e afirma que está a defender os cidadãos e o país.

No total, 27 jornalistas bielorussos estão atualmente detidos, a cumprir as penas ou a aguardar julgamento, de acordo com a BAJ.

Veja mais: