Mundo

Cuba anuncia fim das restrições às importações privadas

Alexandre Meneghini

Resposta aos protestos e à crise económica agravada pela pandemia.

Cuba anunciou o fim das restrições às importações privadas, em resposta aos protestos inéditos do último domingo e à crise económica agravada pela pandemia.

Na prática, todos os que viajem para Cuba, mesmo em turismo, vão poder levar medicamentos, produtos de higiene e alimentos sem limite de valor.

A medida foi anunciada pelo primeiro-ministro como excecional e temporária. Estará em vigor até, pelo menos, ao final de 2021.

O regime cubano tenta, desta forma, atenuar os efeitos da escassez de bens essenciais, vista como uma das explicações para as manifestações de domingo em várias cidades cubanas.

Protestos em Cuba. Regime não revela número de detidos ou feridos

A agência noticiosa de Cuba, controlada pelo Estado, confirmou a morte de um manifestante, durante um protesto na passada segunda-feira em Havana. O regime cubano continua a responsabilizar os Estados Unidos pelos protestos e pela crise económica.

A morte de um manifestante num bairro popular da periferia de Havana, anunciada pelo Ministério do Interior cubano através da Agência Noticiosa de Cuba, é até agora o único dado oficial sobre os protestos.

Não há informações sobre feridos, nem sobre detenções realizadas durante e nem depois das manifestações de domingo. Desconhece-se também a extensão de protestos que tenham acontecido nos últimos dias.

De acordo com a informação oficial, no protesto, um número não especificado de manifestantes e de polícias terá sofrido ferimentos. O ministério do Interior diz também que houve detenções, mas não revela números.

O Governo tenta desvalorizar a dimensão do descontentamento e lança culpas ao inimigo americano.