Mundo

Tribunal decreta prisão preventiva para dois dos quatro portugueses acusados de violar duas jovens espanholas

Os outros dois acusado vão poder ir para casa, mas com condições.

Dois dos quatro portugueses acusados de violar duas jovens espanholas vão ficar em prisão preventiva. A decisão do tribunal é justificada pelo risco de fuga dos arguidos. Vão ser transferidos para o centro penitenciário das Astúrias.

O Ministério Público espanhol tinha pedido a prisão preventiva, sem direito a caução, para dois dos portugueses suspeitos de violar duas jovens em Espanha e a liberdade com proibição de aproximação e contacto com as vítimas para os outros dois.

O tribunal aceitou o pedido. Os outros dois portugueses vão poder ir para casa, mas com condições: não se podem aproximar das duas vítimas ou manter qualquer contacto com as jovens.

A SIC apurou que os quatro jovens são de Braga e não têm antecedentes criminais. O grupo esteve de férias em várias cidades espanholas (Bilbau e Valladolid), sendo Gijón a última paragem antes do regresso a Portugal.

Este domingo, os quatro portugueses foram ouvidos pela juíza responsável pelo caso e negaram todas as acusações, garantindo ter provas de que o sexo foi consentido.

Já as jovens espanholas, de 22 e 23 anos, contaram às autoridades que foram agredidas e forçadas a ter relação sexuais num quarto de uma pensão.

Manifestação de apoio às vítimas junta centenas de pessoas

Foi marcado para esta segunda-feira uma concentração de apoio às duas espanholas. O protesto junta centenas de pessoas na praça principal de Gijon em luta pelos direitos das mulheres e contra a violência de género.

Veja mais: