Mundo

Condições a bordo dos navios humanitários no Mediterrâneo estão a ficar insustentáveis

Cerca de 800 migrantes aguardam autorização para desembarcar na União Europeia

Cerca de 800 migrantes continuam no Mediterrâneo à espera de autorização para desembarcar em países da União Europeia. A bordo, a situação está a ficar cada vez mais insustentável. Além de terem sido detetados casos positivos de covid-19, o calor extremo que se sente na região deixou dezenas de pessoas desidratadas.

Os migrantes que conseguem sobreviver à travessia estão a ser distribuídos por dois navios humanitários – o “Ocean Viking” da SOS Méditerranée e o “Sea-Watch” da organização não-governamental alemã.

A bordo dos dois barcos estão cerca de 800 pessoas que esperam por uma autorização para desembarcar. As condições para tratar quem está doente são cada vez menos. Além do calor extremo na região, foram detetados pelo menos seis casos positivos de covid-19.

Há mulheres grávidas – uma delas teve mesmo de ser retirada de uma das embarcações – e dezenas de crianças desacompanhadas e em condições muito complicadas.

As organizações falam numa situação de emergência e apelam aos países por um porto seguro. Mas, até ao momento, ainda não tiveram qualquer resposta. Os migrantes viajavam de países como Marrocos, Bangladesh, Egito e Síria.

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações, desde o início do ano morreram mais de 1.000 pessoas afogadas no mar Mediterrâneo.

Veja mais: