Mundo

Algumas explicações sobre o que aconteceu ao Facebook, Whatsapp e Instagram

Canva

Pararam de funcionar em todo o mundo durante várias horas, na segunda-feira. Afinal, o que aconteceu?

O Facebook parou de funcionar em todo o mundo durante várias horas, na segunda-feira. O Whatsapp e o Instagram, que são propriedade da empresa, também estiveram em baixo. Mas, afinal, o que aconteceu?

A empresa Cloudflare explicou à BBC que o apagão de Facebook, Whatsapp e Instagram aconteceu porque os sistemas pararam de comunicar com a Internet. É como se "alguém tivesse puxado os cabos dos datacenters de uma só vez e os tivesse desconectado da Internet".

No entanto, a explicação do Facebook foi mais técnica:

"Mudanças de configuração em aparelhos que coordenam o tráfego de rede entre os centros de dados causaram problemas que interromperam a comunicação. Isso teve um efeito cascata, que parou os nossos serviços".

O apagão inesperado durou quase sete horas.

Porque é que as pessoas não conseguiam aceder ao Facebook?

A internet divide-se em centenas de milhares de redes. Grandes empresas, como o Facebook, têm as suas próprias redes de maior dimensão (sistemas autónomos). Quando uma pessoa quer entrar nas redes sociais, o sistema que permite que os computadores se liguem à rede usa o Border Gateway Protocol (BGP), uma espécie de serviço para a internet.

O Facebook parou de dar as informações que o sistema precisava para funcionar, o que significa que os computadores não tinham como se conectar à rede social.

Qual foi o efeito do apagão?

O apagão de segunda-feira afetou pessoas e empresas de todo o mundo. O Downdetector, uma plataforma que rastreia interrupções de serviços online, refere cerca de 10,6 milhões de problemas em todo o mundo, o maior número já registado.

Para algumas pequenas empresas, sem outra forma confiável de comunicar com os clientes, pode ter sido um "problema sério". Além disso, algumas empresas em que as equipas ainda estão em teletrabalho utilizam o Whatsapp para manter o contacto entre funcionários.

Sheera Frenkel, uma jornalista do New York Times especializada em tecnologia, adiantou à BBC que os técnicos que tentavam resolver o problema não conseguiam entrar "fisicamente no edifício".

JOHANNA GERON

Facebook diz que apagão foi erro interno

O Facebook excluiu a hipótese de o "apagão" mundial se ter devido a um ataque informático e atribuiu-o a um erro técnico causado pela própria empresa.

Num blogue da empresa, o vice-presidente de infraestruturas da rede social Facebook, Santosh Janardhan, afirmou que os serviços não ficaram inativos por atividade maliciosa.

Foi por "um erro causado por nós próprios", disse.

Segundo a empresa de Menlo Park, cidade da Califórnia, os esforços que têm sido feitos nos últimos anos para proteger os sistemas de possíveis ataques externos foram uma das causas que fizeram demorar o tempo de resposta para resolver o problema.

"Acredito que se o preço a pagar por uma maior segurança do sistema no dia-a-dia é uma recuperação mais lenta dos serviços, vale a pena", disse Santosh Janardhan.

Zuckerberg perdeu mais de 5 mil milhões de euros

O apagão causou também uma queda de 5% nas ações do Facebook, o que significou um prejuízo de mais de 5 mil milhões de euros a Mark Zuckerberg, fundador e CEO da empresa norte-americana.

O gigante tecnológico norte-americano tem visto a cotação nos mercados cair nos últimos tempos.

Veja mais: