Mundo

China e Rússia trabalham em prol de uma ordem internacional "mais justa"

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o Presidente da China, Xi Jinping, na reunião de 4 de fevereiro de 2022.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o Presidente da China, Xi Jinping, na reunião de 4 de fevereiro de 2022.
ALEXEI DRUZHININ/Getty Images
O Presidente chinês, Xi Jinping, deve reunir-se com o homólogo russo, Vladimir Putin, esta semana, no Uzbequistão.

A China está a trabalhar com a Rússia para estabelecer uma ordem internacional "justa e razoável", disse esta terça-feira o mais alto quadro da diplomacia chinesa, nas vésperas de uma reunião entre os líderes dos dois países.

O Presidente chinês, Xi Jinping, deve reunir-se com o homólogo russo, Vladimir Putin, esta semana, no Uzbequistão, à margem da cimeira da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), de acordo com a diplomacia russa.

"Sob a liderança estratégica do Presidente Xi Jinping e do Presidente Vladimir Putin, as nossas relações sempre progrediram no caminho certo", defendeu Yang Jiechi, o principal diplomata do Partido Comunista Chinês, segundo um comunicado emitido esta terça-feira pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

O comunicado citou Yang durante uma reunião com o embaixador russo na China, Andrey Denisov, que está de saída do cargo.

"A China está disposta a trabalhar com a Rússia para implementar ininterruptamente o espírito de cooperação estratégica de alto nível entre os dois países, salvaguardar os interesses comuns e promover o desenvolvimento da ordem internacional numa direção mais justa e razoável", afirmou Yang.

Face às sanções ocidentais e ao isolamento diplomático, em resultado da invasão da Ucrânia, a Rússia está a tentar reforçar laços com os países asiáticos, sobretudo a China. Semanas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, Xi recebeu Putin a 4 de fevereiro. Os dois líderes anunciaram desde então uma parceria "sem limites".

O país asiático recusou condenar a Rússia pela invasão da Ucrânia e criticou a imposição de sanções contra Moscovo. Pequim considera a parceria com o país vizinho fundamental para contrapor a ordem democrática liberal, liderada pelos Estados Unidos. Na semana passada, o número três do regime chinês, o presidente do Comité Permanente da Assembleia Nacional Popular da China, Li Zhanshu, tornou-se o líder chinês mais importante a visitar a Rússia desde o início da intervenção militar.

Li Zhanshu elogiou o "nível sem precedentes" de confiança e cooperação entre Pequim e Moscovo, observando em particular a cooperação na região Ásia - Pacífico, bem como no Extremo Oriente russo, no âmbito da iniciativa chinesa "Uma Faixa, Uma Rota".

Últimas Notícias
Mais Vistos