Mundo

Relatório revela que situação da fome no mundo é sombria

Prato com arroz a ossos de frango
Prato com arroz a ossos de frango
Guido Dingemans, De Eindredactie
Os níveis de população que se encontram subnutridos estão a aumentar e não se prevê qualquer melhoria até 2030.

"Sombria" é como o Índice Global da Fome 2022 classifica a situação da fome no mundo, agravada pelas últimas crises e pelas atualmente em curso: impacto da pandemia de covid-19, guerra na Ucrânia e alterações climáticas.

"Como mostra o Índice Global da Fome (IGF) de 2022, a situação global da fome é sombria. A sobreposição das crises que o mundo enfrenta está a revelar as falhas dos sistemas alimentares, dos globais aos locais, e a realçar a vulnerabilidade das populações de todo o mundo em relação à fome", lê-se no seu mais recente relatório, hoje divulgado.

No documento, o IGF denuncia que "a percentagem de pessoas sem acesso regular a calorias suficientes está a aumentar", em relação aos "cerca de 828 milhões de pessoas subalimentadas em 2021, o que representa uma inversão de mais de uma década de progresso no combate à fome", devido a "uma onda de crises".

O estudo prevê que "a situação é suscetível de piorar perante a atual onda de crises globais sobrepostas - conflito, alterações climáticas e repercussões económicas da pandemia de covid-19 - todas elas poderosas potenciadoras de fome".

"A guerra na Ucrânia veio aumentar ainda mais os preços globais dos alimentos, de combustíveis e fertilizantes e tem o potencial de agravar ainda mais a fome em 2023 e nos anos seguintes", sustentam os especialistas responsáveis pela elaboração do índice, considerando que "estas crises vêm juntar-se a fatores subjacentes, tais como pobreza, desigualdade, governação inadequada, fracas infraestruturas e baixa produtividade agrícola, que contribuem para a fome e vulnerabilidade crónicas".

"A nível mundial e em muitos países e regiões, os atuais sistemas alimentares são inadequados para enfrentar estes desafios e acabar com a fome", vaticinam.

Segundo os especialistas, "sem uma mudança significativa", existe um potencial de agravamento da situação já em 2023, não se prevendo que o mundo no seu conjunto consiga atingir um nível baixo de fome até 2030, como previsto nas metas definidas na chamada Agenda 2030 (traçada pela ONU e composta por 17 grandes objetivos de desenvolvimento sustentável).

Escala de gravidade da fome

O IGF apresenta uma escala de gravidade da fome que inclui os níveis "baixo, moderado, grave, alarmante e extremamente alarmante".

De acordo com o estudo, "a fome elevada persiste em demasiadas regiões", os níveis de população que se encontram subnutridos estão a aumentar e não se prevê qualquer melhoria até 2030.

O sul da Ásia é a região que apresenta os valores mais elevados e a África subsaariana a segunda região com os níveis de fome mais graves, com a subalimentação e a taxa de mortalidade infantil "mais altas do que qualquer outra região do mundo", nos termos do relatório, que considera que também em regiões como a África oriental, a Ásia ocidental e o norte de África "os valores são preocupantes".

O sul asiático é também a região com maior taxa de atraso no crescimento infantil (raquitismo) e, "de longe, a maior taxa de emaciação infantil do que qualquer outra região do mundo".

Emaciação infantil significa percentagem de crianças com menos de cinco anos com baixo peso para a sua altura, o que é reflexo de subnutrição aguda, explica o IGF no relatório, apontando este como um dos quatro indicadores em que se baseia como instrumento "para medir e acompanhar de forma abrangente a fome a nível global, regional e nacional ao longo dos últimos anos e décadas".

Subalimentação, atraso no crescimento infantil e taxa de mortalidade infantil

Os outros três indicadores que utiliza na sua fórmula para captar "a natureza multidimensional da fome" são a subalimentação, o atraso no crescimento infantil (que reflete subnutrição crónica) e a taxa de mortalidade infantil de crianças com menos de cinco anos.

Os especialistas apontam para que cinco países do mundo estejam num nível alarmante - quatro deles africanos e o Iémen, um país em guerra civil desde 2014, que provocou, segundo a ONU, "a pior crise humanitária do mundo" e que, em outubro de 2020, a edição anual do IGF incluía já entre os países com níveis de fome alarmantes.

Além disso, o IGF coloca quatro países num nível provisoriamente alarmante - mais três países africanos e a Síria, também palco de uma guerra civil desde 2011 - e 35 países num nível grave de fome (a maioria dos quais também africanos, além de Timor-Leste, Haiti, Índia e Paquistão, Papua-Nova Guiné, Coreia do Norte e Afeganistão, onde os talibãs retomaram o poder há pouco mais de um ano e que enfrenta uma grave crise económica).

Relatório apresenta possíveis soluções

As possíveis soluções apontadas no relatório passam pela transformação dos sistemas alimentares, bem como pela importância do papel que os Governos locais desempenham nestas regiões.

"Num sistema alimentar global que ficou aquém do fim sustentável da fome, é importante olhar para a governação dos sistemas alimentares a nível local, onde os cidadãos estão a encontrar formas inovadoras de responsabilizar os decisores pela resolução do problema da insegurança alimentar e nutricional", refere uma das especialistas, Danielle Resnick, num ensaio incluído no relatório do IGF deste ano.

"Embora a transformação dos sistemas alimentares requeira, em última análise, intervenções a múltiplos níveis, justifica-se uma maior concentração na governação local dos sistemas alimentares", porque "as práticas de gestão dos recursos naturais, os métodos agrícolas e pecuários e as preferências alimentares assentam frequentemente nas tradições culturais locais, experiências históricas, e condições agroecológicas", defende Resnick.

Para o relatório do Índice Global de Fome de 2022, foram avaliados dados de 136 países.

De entre estes, havia dados suficientes para calcular a pontuação de IGF de 2022 e classificar 121 países (a título de comparação, foram classificados 116 países no relatório de 2021), refere ainda o documento.

Últimas Notícias
Mais Vistos