Mundo

Rishi Sunak apanhado em viagem de carro sem cinto de segurança

Loading...

O vídeo que mostra o primeiro-ministro britânico sem cinto de segurança está a ser analisado pelas autoridades. A situação levou Rishi Sunak a pedir desculpa pelo "erro de julgamento".

A polícia britânica vai analisar um vídeo em que o primeiro-ministro surge sem cinto de segurança no banco de trás de um carro, um "erro de julgamento" pelo qual Rishi Sunak já se desculpou, referiu esta quinta-feira Downing Street.

Nas imagens divulgadas nas redes socais, o chefe do governo britânico surge a falar com entusiasmo da sua política de reequilíbrio territorial, sentado no banco de trás de um automóvel, sem usar o cinto de segurança, durante uma viagem até Lancashire, norte de Inglaterra.

"Estamos cientes do assunto e vamos investigá-lo", adiantou um porta-voz da polícia local, citado pela agência France-Presse (AFP).

A não utilização do cinto de segurança pode ser punida com uma multa até 500 libras (cerca de 571 euros).

Rishi Sunak admitiu "totalmente" o erro e pediu desculpas, referiu Downing Street.

"Foi um erro de julgamento", o primeiro-ministro tirou o cinto "por um breve momento para filmar um vídeo", "mas reconhece que é um erro", declarou um porta-voz do gabinete. "O primeiro-ministro acha que todos devem usar o cinto de segurança", acrescentou.

Um “hábito que custa caro ao meio ambiente e aos contribuintes”

Ainda antes deste incidente, Rishi Sunak foi alvo de críticas por ter realizado vários voos num jato para viagens curtas, na ordem dos 30 e 40 minutos.

Um "hábito que custa caro ao meio ambiente e aos contribuintes", denunciou a número dois da oposição, do Partido Trabalhista, Angela Rayner.

Por outro lado, o porta-voz do primeiro-ministro defendeu a escolha por questões de eficiência e melhor aproveitamento do "tempo".

Quando era ministro das Finanças do governo de Boris Johnson, Rishi Sunak foi multado no escândalo do "partygate", por ter estado presente num convívio para o aniversário do primeiro-ministro, violando as regras anti-covid-19.