País

Ambientalistas saúdam proibição de plásticos votada pelo Parlamento Europeu

Rafiq Maqbool

Organizações ambientalistas saudaram esta quarta-feira a proposta do Parlamento Europeu de proibir a partir de 2021 a utilização de plástico de utilização única, e destacaram que o Governo português foi menos ambicioso.

O Parlamento Europeu aprovou hoje uma proposta que prevê, entre outras medidas, a proibição da venda de produtos de plástico de utilização única na União Europeia (UE) a partir de 2021.

A proposta, com 571 votos a favor e 53 contra, preconiza a proibição da venda de pratos, talheres, cotonetes, palhinhas, agitadores para bebidas e varas para balões, e também de produtos de plásticos oxodegradável (que se fragmentam) e recipientes para alimentos e bebidas de poliestireno expandido (esferovite).

"A Europa põe um ponto final nos plásticos descartáveis e leva mais longe as medidas aprovadas recentemente pelo Governo português", disse a associação ambientalista Quercus em comunicado, salientando que a Europa enfrentou o problema da poluição provocada pelo plástico descartável "de forma ainda mais determinada" do que Portugal.

A Zero, outra organização ambientalista, diz, também em comunicado, que o Governo português tem de "mostrar a mesma ambição do Parlamento Europeu".

No documento a Zero destaca a votação expressiva na medida, a proibição das embalagens de esferovite e restrições na pesca, e lamenta que não tenha sido adotada a proibição de sacos muito leves, uma medida que tinha sido aprovada no Comité do Ambiente.

"Os Estados-membros têm agora a obrigação de mostrar o mesmo empenho na proteção da saúde humana e do ambiente", diz a Zero.Para a Quercus, as medidas hoje aprovadas são "fundamentais para mudar os comportamentos na Europa" e permitem ao setor envolvido (indústria, embaladores, distribuição e restauração) "adaptar-se à nova realidade".

A organização salienta que os poluentes marinhos são alvo de proibição, mas diz que nas garrafas de água a medida "podia ter sido mais ambiciosa".

"É fundamental envolver os produtores e responsabilizá-los pelo impacte dos seus produtos no ambiente, impondo a necessidade de que os mesmos informem o consumidor sobre este impacte das embalagens, quando incorretamente encaminhadas, tal como existe por exemplo para a saúde no caso do tabaco", defende a Quercus.

Lusa

  • Eurodeputados aprovam proibição de determinados produtos de plástico 

    Mundo

    O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira a proibição de comercialização de alguns produtos de plástico de uso único, como cotonetes, agitadores para bebidas, copos e pratos, e outras medidas para reduzir o impacto do lixo plástico no ambiente e na saúde humana. Só a União Europeia produz cerca de 25 milhões de toneladas de resíduos plásticos por ano e apenas 30 por cento são reciclados.

  • Diretiva para reduzir plásticos descartáveis é um "pequeno passo"
    1:20

    Mundo

    A tarefa é gigantesca, num mundo onde o plástico se tornou omnipresente no dia a dia. Prevenir e reduzir o impacto de lixo plástico no ambiente e na saúde humana é o objetivo da proposta de Diretiva que será votada esta quarta-feira, em sessão plenária do Parlamento Europeu (PE) em Estrasburgo, França. A SIC entrevistou Maria Westerbos, da Fundação Sopa de Plástico, que considera esta Diretiva "um pequeno passo" mas reitera que é preciso ir mais longe.

  • Andamos todos a comer plástico

    Mundo

    Pela primeira vez, cientistas encontraram provas de que os humanos estão a ingerir microplásticos na sua alimentação. Já sabíamos que poderíamos estar a ingerir este tipo de partículas através de produtos embalados como garrafas de água ou até mesmo através do peixe, mas nunca ninguém se chegou à frente para confirmar.

  • Aldeia de Roberto Leal recebe notícia da morte com consternação
    2:02