País

Centeno sai do Governo e deixa pasta das Finanças a João Leão

JOSÉ SENA GOULÃO

Já há substituto para a pasta das Finanças.

O Presidente da República aceitou esta terça-feira a exoneração de Mário Centeno, numa nota publicada no site oficial da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa aceitou ainda a nomeação de João Leitão, até agora secretário de Estado do Orçamento, para o cargo de Ministro das Finanças. A cerimónia de tomada de posse vai acontecer a 15 de junho, segunda-feira, às 10h00.

O Presidente da República recebeu de António Costa "as propostas de exoneração, a seu pedido, do ministro de Estado e das Finanças, professor doutor Mário Centeno, e de nomeação, em sua substituição, do professor doutor João Leão".

Será João Leão que, no próximo dia 17, vai apresentar na Assembleia da República, a proposto do Governo de Orçamento Suplementar hoje aprovada em Conselho de Ministros.

"Compreendo e respeito que Mário Centeno queira abrir um novo ciclo na sua vida"

António Costa confirmou esta terça-feira a exoneração de Mário Centeno, a pedido do mesmo, do cargo no Ministério das Finanças. Em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, o chefe do Governo português agradece a dedicação de Centeno nos seis anos de trabalho conjunto.

O primeiro-ministro relembra que pela segunda vez em 46 anos um ministro das Finanças cumpriu integralmente a legislatura de quatro anos e, ainda, pela primeira vez preparou o início de outra legislatura.

Elogia a “extraordinária capacidade de trabalho” e “espírito de equipa” de Centeno e a sua preocupação em “assegurar equidade nas decisões”.

Centeno e os 1.664 dias como ministro das Finanças: “Foi uma enorme honra”

Em conferência de imprensa, o ministro das Finanças afirmou ter sido uma “enorme honra” responder aos desafios que lhe foram colocados desde 2014 e elogia a coesão e liderança do Governo, dizendo que isso se reflete nos resultados.

Mário Centeno considera que este é o fim de um ciclo longo para a história da democracia portuguesa, em que esteve 1.664 dias como ministro, com a pasta da Finanças, e acumulou 900 dias na presidência do Eurogrupo.

Sobre o seu sucessor, João Leão, diz que é o “factor de continuidade de um trajeto que Portugal merece”.

"Centeno não quis ficar associado a este mau momento"

"Centeno vai-se embora sem aplicar o orçamento real de 2020"

"É uma surpresa a saída no dia da entrega de um Orçamento"

Quem é João Leão, o novo ministro das Finanças

João Leão é doutorado em Economia pelo Massachusetts Institute of technology (MIT) e integrou a equipa económica de António Costa logo em 2015, tendo feito parte do grupo de economistas que preparou o cenário macroeconómico e que acompanhou o programa eleitoral do PS.

Secretário de Estado do Orçamento desde novembro de 2015, João Leão tem sido responsável pela política orçamental dos governos de António Costa.

INÁCIO ROSA

Fonte do executivo disse à agência Lusa que a substituição de Mário Centeno por João Leão "constitui um garante natural de continuidade dos resultados alcançados pela governação em matéria de finanças públicas".

De acordo com a mesma fonte, o ainda secretário de Estado do Orçamento possui "um sólido conhecimento da economia portuguesa, tendo liderado o Gabinete de Estudos do Ministério da Economia durante cinco anos, durante a vigência de distintos governos".

João Leão preparado para “servir o país numa fase tão exigente”

João Leão afirma que será uma honra continuar a servir o país numa fase que se tem mostrado especialmente exigente. Sobre o período em que trabalhou no gabinete das Finanças com Centeno, sublinha o trabalho intenso para atingir o primeiro excedente orçamental e a preparação e execução de cinco Orçamentos do Estado.

Sinais de mal estar no Governo anteciparam saída de Centeno

Centeno abandona o Eurogrupo

Mário Centeno disse ainda esta terça-feira que irá anunciar formalmente na próxima quinta-feira que não é candidato a novo mandato à frente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro.

Há um mês, o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung adiantava que Centeno tinha decidido não se candidatar a um segundo mandato como líder do Eurogrupo, mas o ministro das Finanças sempre se recusou a revelar qual a sua decisão.

Eleito em dezembro de 2017, Mário Centeno sucedeu ao holandês Jeroen Dijsselbloem na presidência do Eurogrupo em janeiro de 2018, para um mandato de dois anos e meio, que expira assim em julho próximo.

Centeno diz assim que o seu mandato na presidência do Eurogrupo termina a 13 de julho de 2020 e que irá participar no processo de eleição do seu sucessor a 9 de julho.

Veja também:

  • 15:42