País

Marcelo em silêncio sobre reestruturação do SEF

Presidente prefere não comentar.

Marcelo Rebelo de Sousa não comenta uma possível fusão entre a PSP e o SEF, proposta por Magina da Silva no domingo. O Presidente da República respondeu às perguntas dos jornalistas no Algarve dizendo apenas que se trata de uma matéria da competência do Governo.

Diretor da PSP falou com Marcelo sobre extinção do SEF e criação de polícia nacional

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública abordou no domingo, na reunião com o Presidente da República, a fusão da PSP com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

"O que tem sido anunciado e tem sido trabalhado com o Ministério da Administração Interna passará não pela absorção, mas pela fusão entre a PSP e o SEF", afirmou Magina da Silva, depois do encontro com Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém.

Em declarações aos jornalistas, o diretor da PSP disse ter falado sobre a intenção de extinguir a PSP e o SEF para dar origem a uma polícia nacional, como tem acontecido em vários países europeus.

Eduardo Cabrita afirma que não é "um diretor de Polícia" que anuncia reforma do SEF

O ministro da Administração Interna afirmou no domingo à agência Lusa que a projetada reforma no âmbito do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) será anunciada "de forma adequada" pelo Governo "e não por um diretor de Polícia".

Em declarações à agência Lusa, Eduardo Cabrita referiu que o Programa do Governo prevê "uma separação orgânica clara entre funções policiais e funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes do SEF".

O ministro da Administração Interna apontou depois que tem decorrido um trabalho "envolvendo as forças de segurança sobre a redefinição do exercício das funções policiais nestas áreas de gestão de fronteiras e de combate às redes de tráfico humano".

"Esta é uma matéria que o Governo está a trabalhar, envolvendo diretamente o primeiro-ministro [António Costa], os ministérios da Administração Interna, dos Negócios Estrangeiros, da Justiça e a Presidência do Conselho de Ministros. É é neste quadro de envolvimento direto do primeiro-ministro e de quatro áreas governativas que teremos brevemente, de modo adequado, a explicitação daquilo que é a forma de dar expresso cumprimento ao Programa do Governo", afirmou o membro do executivo.

  • O exemplo inglês 

    Opinião

    Na década de oitenta, as tragédias de Heysel Park primeiro e de Hillsborough depois, atiraram a credibilidade do futebol inglês para a sarjeta.

    Duarte Gomes