País

"Se não quero correr riscos vou ter um lugar lá atrás"

Odacir Júnior

Odacir Júnior

Repórter de Imagem

Vanda Paixão

Vanda Paixão

Editora de Imagem

Diana Matias

Diana Matias

Produtora Editorial

Edgar Keats

Edgar Keats

Pós-produção áudio

A produção de hidrogénio verde pode ser apresentada pelo Governo português como uma aposta nacional, mas se o país não quiser correr riscos não passará disso mesmo, de uma aposta. Esta é a convicção de João Campos Rodrigues, presidente da direção da AP2H2 – Associação Portuguesa para a Promoção do Hidrogénio.

Fundada em 2003, a Associação representa um conjunto de entidades e agentes económicos, tecnológicos e científicos ligados à implementação do hidrogénio como novo vetor energético.

Numa aula online a que a SIC assistiu, João Campos Rodrigues explicou o que é o hidrogénio, para que serve, quais as limitações, os custos associados e a resposta que pode dar hoje e no futuro.

Entusiasta do uso do hidrogénio verde, o presidente da direção da AP2H2 admite que se trata ainda de uma "tecnologia numa fase emergente", mas defende que é a forma certa de Portugal garantir que produz energia sem depender de outros países.

Veja também: