País

Mãe, filha e neto viviam em vivenda cheia de lixo, excrementos e animais na Quinta do Conde

Criança de quatro anos foi institucionalizada. Mãe e filha estão internadas no Hospital de Setúbal. Técnicos de limpeza dizem nunca ter visto nada assim.

As autoridades retiraram de casa uma família que vivia em condições sanitárias deploráveis, numa vivenda na Quinta do Conde, no concelho de Sesimbra.

Mãe, filha e neto, de 4 anos, dividiam o espaço com uma mistura de lixo, excrementos e animais, alguns já mortos.

Os técnicos da empresa especializada em limpeza de locais de risco para a saúde pública nunca viram nada assim.

A limpeza foi solicitada pelo proprietário da casa, que vive no estrangeiro há vários anos e que desconhecia o que se passava.

Depois da intervenção da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens local, o menor ficou institucionalizado, enquanto a mãe e a avó foram internadas no hospital São Bernardo, em Setúbal.

Alertamos para a violência das imagens.

"Estado emocional da criança que viveu naquele ambiente preocupa-me"

O psicólogo Mauro Paulino explica que existe uma lei de proteção de crianças e jovens em perigo que prevê a retirada imediata da criança.

"Creio que não há dúvidas de que estaria num contexto de perigo. (...) O estado emocional da criança de quatro anos que viveu naquele ambiente preocupa-me", disse.

O especialista explica que as autoridades que se deslocaram ao local tinham a obrigação de saber "os mecanismos que a lei oferece" e ativá-los "imediatamente". Defende também que neste caso houve uma lentidão "inexplicável" das autoridades.