País

Ministério Público acusa protetora de animais por 23 crimes de maus tratos

Atenção: as imagens no interior deste artigo podem chocar.

O Ministério Público acusa uma protetora de animais por 23 crimes por maus tratos. A arguida era responsável por um espaço em São Paio, no concelho de Gouveia, distrito da Guarda, onde mantinha 23 cães.

Segundo a acusação, os 23 cães que estavam à responsabilidade da arguida encontravam-se em condições de má nutrição extrema e omissão de cuidados.

Os animais foram retirados em setembro, por ordem judicial, e entregues a pessoas que os acolheram com o objetivo de recuperarem. Serão entregues para adoção.

A arguida recebeu, entretanto, uma ordem de encerramento de um outro recinto, designado “Cantinho da Lili”, em Moimenta da Serra, onde estão cerca de 100 cães.

A SIC questionou a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) se estes 100 animais vão ficar à guarda da proprietária do terreno, que explicou que a "decisão sobre a guarda dos animais só será conhecida aquando da conclusão dos respetivos prazos procedimentais". No entanto, não irão ficar no "mesmo terreno, pois sobre o Alojamento "Cantinho da Lili" está a decorrer um procedimento de suspensão da atividade do mesmo".

A DGAV acrescenta também que a detentora legal do animais é que deve "propor/definir o destino" para os100 cães. "Se não apresentar destino adequado para os animais compete à Câmara Municipal de Gouveia executar as medidas necessárias (...) nomeadamente proceder, quando necessário, à recolha dos animais."