País

 Autarca de Odemira denuncia "negócios estranhos" no concelho

"O arrendamento é escandalosamente abusivo".

O presidente da Câmara Municipal de Odemira volta a falar em "negócios estranhos" no concelho.

José Alberto Guerreiro dá o exemplo do arrendamento, com contratos que diz serem "escandalosamente abusivos".

"Há muito tráfico humano" em Odemira: as denúncias feitas por um ex-trabalhador

Há redes criminosas associadas a empresas de prestação de serviços que atuam na captação e exploração de imigrantes da Ásia e norte de África, para trabalhos agrícolas no concelho de Odemira.

Um ex-trabalhador português denunciou à SIC casos de tráfico humano, extorsão e agressões, entre outras situações menos claras.

O esquema é tentacular, criminoso e mantém sem saída centenas de pessoas.

Em busca de uma vida melhor, homens e mulheres vêm ao engodo de um trabalho pago, casa, tranquilidade e paz europeia. Acabam na mão de quem os trouxe.

Entretanto, o esquema evoluiu e o dinheiro recebido é enviado para o pais de origem e o pagamento aos intermediários feito de lá. A rede está montada e alimenta em muitas frentes.

As vítimas trabalham, descontam, entregam parte do salário e permanecem em péssimas condições, que também pagam. Como o dinheiro não chega, são convidados a comprar fiado nas lojas asiáticas ou africanas e, no fim, são cobrados juros

O esquema tem na mira trabalhadores migrantes oriundos da Ásia e norte de África. A maioria vem do Nepal, da Índia e da Tailândia.

Polícia Judiciária investiga várias queixas de tráfico de pessoas em Odemira

As questões sanitárias em Odemira puseram a descoberto um problema que dura há anos e que está relacionado com a legalidade do fluxo de migrantes para trabalhos agrícolas no concelho.

A situação vai além da insalubridade habitacional. Em causa poderão estar esquemas de imigração ilegal e tráfico de seres humanos.

A Polícia Judiciária está a investigar várias queixas de tráfico de pessoas. Há redes que envolvem trabalhadores imigrantes alegadamente explorados e enganados.

A confirmarem-se estas suspeitas, constituem uma violação grave dos direitos humanos.