País

Pacotes com droga e telemóveis atirados para dentro da prisão de Custóias

A falta de guardas dificulta a vigilância dos muros em algumas prisões.

Há cada vez mais casos de droga e telemóveis a serem lançados para dentro das prisões. Em Custóias, no Porto, dois pacotes foram arremessados para o pátio da cadeia, esta segunda-feira, durante a hora de recreio.

Os guardas admitem que não têm meios para controlar a situação.

Quem arremessou os dois embrulhos não foi identificado, nem que os resgatou do lado de dentro da cerca. As câmaras de videovigilância ainda não ainda não permitiram apurar responsabilidades.

O material está, nesta altura, em parte incerta dentro da cadeia.

As três torres não costumam ter vigilância devido à falta de guardas e os muros de algumas prisões – como Custóias e Vale Judeu – tornam-se uma espécie de corredor aéreo com elevado tráfego, para quem pretende enviar encomendas para dentro da cadeia.

Atrás das grades, o valor da droga é cinco vezes superior ao praticado na rua e um grama de cocaína chega a custar 500 euros. O mesmo preço que, por exemplo, um telemóvel dos mais básicos, cuja eventual apreensão, a acontecer, não é crime, mas apenas um ilícito disciplinar.