País

Quem é Vítor Fernandes, o homem que o Governo escolheu para presidir ao Banco de Fomento?

Ex-gestor do Novo Banco está envolvido no processo de Luís Filipe Vieira.

A ida de Vítor Fernandes para o Banco de Fomento está dependente de parecer da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública. O gestor fez toda a carreira na banca, tendo passado pela Caixa Geral de Depósitos numa altura em que o banco público concedeu vários créditos problemáticos.

Vítor Fernandes, de 57 anos, foi um dos visados pelo Parlamento no inquérito sobre os créditos ruinosos atribuídos pela CGD.

O gestor não gostou do que leu no relatório e enviou uma carta aos deputados, na qual afirmava:

"(...) não participava habitualmente nos conselhos alargados de crédito uma vez que as minhas áreas de responsabilidade eram os seguros, informática e marketing, que nada tinham a ver com a concessão de crédito".

Em fevereiro, mais de um ano depois do envio da carta, era escolhido pelo governo para charmain do banco português de fomento. Rapidamente surgiram críticas vindas do Parlamento. Os ministros das Finanças e da Economia defenderam-no. Salientaram um currículo relevante feito inteiramente na banca.

Licenciado em Administração e Gestão de Empresas, o gestor começou a carreira como auditor. Desde 1992 que está inscrito na Ordem dos Revisores Oficiais de Contas.

Acumulou funções na banca com a presidência da seguradora Fidelidade Mundial.

Do banco público transitou para o BCP, numa operação que ficou conhecida como um assalto ao banco.

Um grupo de acionistas próximos de José Sócrates nomeou a administração de Carlos Santos Ferreira e Vara, vindos diretamente da CGD. O banco público financiou a compra de ações por parte desses novos acionistas. Joe Berardo era um dos maiores.

DO BCP Vítor Fernandes seguiu para o Novo Banco pela mão de Eduardo Stock da Cunha. Ficou com António Ramalho até outubro de 2020. Saiu por divergências ao perceber que não fazia parte da equipa estratégica da lone star, o fundo que gere o Novo Banco.

É agora visado na operação Cartão Vermelho, numa altura em que a justiça aperta o cerco aos grandes devedores.