País

Cartão Vermelho. Juiz Carlos Alexandre coloca OPA feita pelo Benfica às ações da SAD sob suspeita

Luís Filipe Vieira teria um esquema de negócio que teria possibilitado a José António dos Santos lucrar quase 14 milhões de euros na compra e venda de ações. A CMVM viria travar a operação.

Na investigação Cartão Vermelho, Carlos Alexandre coloca a OPA feita pelo Benfica às ações de SAD sob suspeita.

Em novembro de 2019, o Benfica lançava uma operação de compra de ações da SAD. E para quem questionava a pertinência da OPA, naquela altura, o presidente do clube justificava-a como parte de uma estratégia. O objetivo? Devolver o Benfica aos benfiquistas.

Mas nos meses anteriores ao anúncio da OPA, o amigo e sócio de Vieira, José António dos Santos, foi comprando ações da SAD, mais de 16 mil, a vários pequenos acionistas, abaixo de três euros e a OPA subiria o valor para cinco euros por ação. José António dos Santos ganharia em poucos meses 13,7 milhões de euros na venda das ações ao Benfica.

Para o Ministério Público, nada disto terá sido acaso ou sorte, porque o presidente do Benfica avisou o fundador do grupo Valouro que iria lançar a oferta pública de aquisição. Esta seria a compensação pelo investimento do empresário na compra de uma dívida de Vieira ao Novo Banco.

O melhor negócio de sempre só não viria a acontecer porque a CMVM travou a operação, depois do Benfica ter anunciado a OPA e disparado o valor das ações da SAD.

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro