País

Operação Cartão Vermelho. Luís Filipe Vieira assume factos, mas nega crimes

NurPhoto

Sobre a acusação de abuso de informação, a defesa de Vieira diz até que esta foi desmentida por uma escuta.

Luís Filipe Vieira assumiu todos os factos, mas negou ter cometido qualquer crime.

Sobre a acusação de abuso de informação, a defesa de Vieira diz até que esta foi desmentida por uma escuta, em que o chamado "Rei dos Frangos" soube da venda de ações do Benfica na manhã em que se realizou.

O jornal Expresso avança ainda que, de acordo com Vieira, os 2,4 milhões de que está acusado de desviar do Benfica foram movimentações financeiras legais.

As medidas de coação no processo Cartão Vermelho foram conhecidas no sábado e Luís Filipe Vieira vai ficar em prisão domiciliária até pagar a caução de 3 milhões de euros, pedida pelo Ministério Público. Para além do pagamento da caução, que poderá ser feito através de depósito ou de uma garantia, Luís Filipe Vieira terá de entregar o passaporte, por eventual risco de fuga, e não poderá contactar com os outros arguidos, nem com elementos da direção e administração do Benfica.

Vieira tem 20 dias para pagar caução de 3 milhões de euros

Luís Filipe Vieira pode não ficar em liberdade mesmo depois de pagar a caução de 3 milhões de euros.

A medida de coação vai ser reapreciada pelo juiz de instrução sob proposta do Ministério Público.

O procurador pode entender manter a prisão domiciliária mesmo depois do pagamento.

ESTÁ EM PRISÃO DOMICILIÁRIA, SEM PULSEIRA ELETRÓNICA

Luís Filipe Vieira fica em prisão domiciliária até ao pagamento da caução de três milhões de euros. Tem 20 dias para pagar, pode fazê-lo em dinheiro ou através de garantia bancária.

O presidente do Benfica suspenso de funções está proibido de contactar qualquer funcionário ou administrador do Novo Banco e ainda administradores da SAD do Benfica. Não pode também sair do país, tal como os restantes três arguidos.

A caução de filho Tiago Vieira é de 600 mil euros, a do empresário José António dos Santos de 2 de milhões de euros e a de Bruno Macedo 300 mil euros.

O juiz Carlos Alexandre aceitou todos os pedidos do Ministério Público. Os advogados não concordaram com a decisão aplicada pelo juiz.

Filho de Vieira terá usado residência em Maputo para fuga ao fisco

No rescaldo dos interrogatórios aos arguidos no âmbito da operação "Cartão Vermelho", sabe-se agora que o Ministério Público suspeita que Tiago Vieira, filho de Luís Filipe Vieira, terá usado uma residência fiscal em Maputo para fugir aos impostos.

Tiago Vieira assumiu há vários anos a presidência do conselho de administração de diversas sociedades da família. Com a vida profissional e familiar concentrada em Portugal, o gestor tem, oficialmente, morada fiscal em Moçambique há pelo menos quatro anos.

Segundo o jornal Público, o arguido assumiu perante o juiz de instrução ter rendimentos anuais entre os 200 e os 250 mil euros, ou seja, o dobro dos rendimentos reconhecidos por Luís Filipe Vieira durante o inquérito.

Mais moderado terá sido José António dos Santos, o maior acionista individual da SAD do Benfica, que garantiu ao juiz Carlos Alexandre receber um salário de 6 mil euros mensais, como reformado e como presidente da Caixa de Crédito Agrícola da Lourinhã.

Durante as buscas, os inspetores responsáveis pela investigação encontraram nas instalações da Avibom, uma das várias empresas de que é administrador, mais de 1 milhão de euros em dinheiro.

Os procuradores acreditam que o empresário, conhecido como Rei dos Frangos, era uma espécie de testa-de-ferro de Vieira e, ao mesmo tempo, financiador do presidente do Benfica.