País

Polícias voltam aos protestos por causa do subsídio de risco em dia de nova reunião no MAI

JOSÉ SENA GOULÃO

Exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros, idêntico ao que é atribuído a outras polícias.

Elementos da PSP e da GNR voltam esta quarta-feira aos protestos por causa do subsídio de risco, uma concentração que vai decorrer enquanto os sindicatos e associações socioprofissionais estão reunidos no Ministério da Administração Interna (MAI).

Os protestos, marcados para as 10:30, vão decorrer em frente ao MAI, na Praça do Comércio, em Lisboa, e junta alguns comandos distritais da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana.

Depois de na semana passada terem saído desiludidos da reunião com o secretário de Estado Adjunto e da Administração Interna e de não ter sido apresentado pelo Governo uma nova proposta, os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR voltam a reunir-se esta quarta-feira com Antero Luís.

Juntos numa plataforma, 10 sindicatos da Polícia de Segurança Pública e três associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana exigem um subsídio de risco no valor de 430,39 euros, idêntico ao que é atribuído a outras polícias, como inspetores da Polícia Judiciária e do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Já a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), que não pertencem a esta plataforma, mas que têm marcado presença nos protestos, defendem o pagamento faseado do subsídio de risco até 2024. Em janeiro de 2022 seria pago 200 euros, em 2023 aumentava para 300 euros, fixando-se em 2024 nos 430 euros.

A ASPP e a APG, as estruturas mais representativas da PSP e da GNR, consideram que a proposta apresentada ao MAI é "realista" e "aguardam que seja aceite" pelo Governo.

A ASPP e a APG sublinham que os protestos, que se têm intensificado nas última semanas, pretendem demonstrar ao Governo a importância da atribuição do subsídio de risco para os polícias e contestar a proposta inicial "indecorosa" apresentada pelo MAI.

O MAI propôs, em junho, um novo suplemento por serviço de risco nas forças de segurança, que substituirá o atual suplemento por serviço nas forças de segurança, no valor de 100 euros para os elementos em funções de ronda e patrulha, 90 euros para quem têm funções de comando e 80 euros para os restantes operacionais, significando, na prática, um aumento de 68, 59 e 48 respetivamente, uma vez que o suplemento por serviço nas forças de segurança é atualmente de 31 euros.

O subsídio de risco é uma das principais e mais antiga reivindicação dos polícias e a atribuição deste suplemento está prevista no Orçamento do Estado deste ano, numa decisão dos partidos da oposição e não do Governo socialista.

Veja também: