País

Manuel Pinho defende-se numa página de internet, onde nega ter sido corrompido pelo GES e EDP

Numa página de internet criada para promover um livro, que vai lançar em breve, o antigo governante nega ter sido corrompido para favorecer a EDP ou o Grupo Espírito Santo.

O antigo ministro da Economia, Manuel Pinho, diz que se arrepende de ter entrado na política e que está a ser alvo de uma campanha de difamação desde que é arguido no processo EDP.

Numa página de internet criada para promover um livro que vai lançar em breve, o antigo governante nega ter sido corrompido para favorecer a EDP ou o Grupo Espírito Santo.

Manuel Pinho foi interrogado na semana passada e agora publica o texto integral, lido aos procuradores, numa página de internet a que dá o nome "Manuel Pinho Confinado". Diz que é dessa forma que vive por estar a ser investigado há 9 anos e pela campanha difamatória de que foi e continua a ser alvo com origem no caso EDP.

Arguido desde 2017, Manuel Pinho é suspeito de ter recebido 4,5 milhões de euros e um cargo numa universidade norte-americana por decisões que terão favorecido o Grupo Espirito Santo e a EDP.

O antigo ministro usa a página de internet para dizer que é totalmente fantasiosa a ideia de um acordo secreto com Ricardo Salgado, que liderava o Grupo Espírito Santo, ou o recebimento de pagamentos indevidos. Garante que não fez qualquer acordo com António Mexia, antigo presidente da EDP, para o colocar na liderança da elétrica e assume que cometeu um enorme erro: o de ter aceitado exercer um cargo político.

O texto divulgado na internet serve de defesa e de promoção para um livro lançado brevemente.

Veja também:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro