País

Rangel acusa Rio de meter o calendário da vida interna do partido nas mãos de Costa

Social-democrata diz estar confortável com qualquer que seja a data das eleições.

O eurodeputado Paul Rangel disse hoje não ter medo de qualquer data de eleições diretas no PSD, mas considerou estranho que o partido coloque o seu calendário interno nas mãos do PS.

À entrada para o Conselho Nacional do PSD, Paulo Rangel escusou-se a confirmar a sua candidatura, dizendo que é uma questão que tratará primeiro perante os conselheiros nacionais, mas recordou que já tinha dito que haveria um dia para tratar do processo eleitoral.

"O dia é a partir do começo do Conselho Nacional", disse.

Questionado sobre a proposta que a direção irá levar a votos para adiar a marcação de diretas e do Congresso - previstas na ordem de trabalhos da reunião de hoje -, Rangel salientou que foi a direção que marcou este calendário.

"Se agora se queixa do calendário, só dela se pode queixar. Por mim, qualquer que seja a decisão do Conselho Nacional, estou tranquilo, não tenho medo nem receio de nenhuma data", disse.

No entanto, acrescentou que seria "estranho que o PSD ponha nas mãos do Dr. António Costa o seu próprio calendário interno, o supremo privilégio de escolher data de eleições" no partido.

"Isto para mim não é normal, mas se o Conselho Nacional entender que deve ser essa a opção, eu estarei tranquilo e totalmente disponível para aceitar essa data", afirmou.

Na quarta-feira à noite, Rui Rio apelou ao Conselho Nacional, que está reunido hoje em Lisboa, que não marque já as diretas e o Congresso - como estava previsto e com uma proposta de calendário enviada horas antes pela própria direção (diretas em 4 de dezembro e congresso em janeiro) - e só o faça depois de se esclarecer se o próximo Orçamento do Estado é ou não aprovado.

Veja também: