País

Corrupção na Câmara de Oeiras? Arquivada suspeita contra antigo braço direito de Isaltino

Notícia SIC

Loading...

Ministério Público seguiu uma pista anónima que relatava suspeitas de corrupção.

No processo em que Isaltino Morais e os ex-autarcas de Mafra e Odivelas foram acusados de prevaricação, chegou a ser investigado o crime de corrupção na Câmara de Oeiras.

Na acusação, revelada pela SIC, o Ministério Público diz que seguiu uma pista anónima que relatava suspeitas de corrupção praticadas pelo antigo braço direito de Isaltino Morais, Paulo Vistas, quando o substituiu no cargo. A suspeita foi arquivada a meio do processo.

O que dizia a denúncia anónima?

A denúncia anónima que chegou à PJ falava de uma reunião em plena Câmara de Oeiras. De um lado, o então Presidente da Câmara, Paulo Vistas, que tinha sucedido a Isaltino Morais. Do outro, Fernando Gouveia, administrador da construtora MRG.

Na acusação a que a SIC teve acesso, o Ministério Público diz que Paulo Vistas teria exigido à empresa o pagamento de 500 mil euros em dinheiro para que pudessem ser retomadas e concluídas as obras do Centro de Congressos e de um centro de formação no concelho de Oeiras.

A denúncia anónima foi feita a 28 de março de 2015 para o piquete da Polícia Judiciária. O relato levou a que o Ministério Público passasse a investigar indícios de corrupção ativa e passiva nos negócios da Câmara de Oeiras. Mas a investigação acabou agora arquivada.

O que foi concluído?

Analisadas as provas e concluído o inquérito, o Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa concluiu que a denúncia não se mostrou credível. Isto porque veio a apurar-se que a decisão de suspender os trabalhos não partiu do município, mas do próprio empreiteiro devido à falta de pagamentos e a problemas de financiamento junto da Caixa Geral de Depósitos.

Paulo Vistas, ex-presidente da Câmara, está agora acusado do crime de prevaricação pelos negócios assinados pela autarquia com a mesma empresa de construção civil quando era o vice-presidente de Isaltino Morais.

O agora novamente autarca de Oeiras está também acusado do mesmo crime.

Estão também acusados a autarca de Odivelas e a atual deputada do PS, Susana Amador, o ex-presidente da Câmara de Mafra, José Ministro dos Santos, e o administrador da construtora que ganhou concursos públicos nos três municípios.

Últimas Notícias
Mais Vistos