País

PAN espera que "assunção de responsabilidades" de Pedro Nuno Santos seja replicada por Medina

PAN espera que "assunção de responsabilidades" de Pedro Nuno Santos seja replicada por Medina
ANTÓNIO COTRIM/Lusa

Inês de Sousa Real elogiou a postura de Pedro Nuno Santos e considera ser “um exemplo raro em política”.

A porta-voz do PAN lamentou este sábado que Pedro Nuno Santos não tenha feito mais cedo o "escrutínio" sobre a indemnização de Alexandra Reis, mas saudou a sua "assunção de responsabilidades", esperando que seja replicada por Fernando Medina.

Num vídeo enviado às redações, Inês de Sousa Real lamentou que o escrutínio feito agora pelo ex-ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, não tenha sido feito quando o caso da indemnização de Alexandra Reis se tornou "do conhecimento público".

Para a porta-voz do PAN, "houve uma delonga em todo este processo que, de alguma forma, é incompreensível" e que devia ter sido evitada, tendo em conta que a TAP é uma empresa em que foi injetado "muito dinheiro público que faz falta para serviços e bens essenciais para o país".

Apesar desta constatação, Inês de Sousa Real elogiou a postura de Pedro Nuno Santos, considerando que "não deixa de ser positivo - e é um exemplo raro em política - que haja de facto uma assunção de responsabilidades públicas e políticas".

"Esperamos é que este exemplo seja replicado pelo ministério das Finanças, pois não podemos esquecer que a TAP tem uma dupla tutela - das Infraestruturas, mas também das Finanças - e certamente que, se foi dado conhecimento [da indemnização de Alexandra Reis] às Infraestruturas e à Habitação, muito nos espanta que não tenha sido dado conhecimento ao ministério das Finanças", sublinhou.

O ex-ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, confirmou na sexta-feira que deu "anuência política" para a saída da TAP de Alexandra Reis, acrescentando que foi informado "do valor final do acordo" entre as partes.

Num esclarecimento público, Pedro Nuno Santos explicou que, desde a sua demissão, em 28 de dezembro, reconstruiu a fita do tempo sobre a polémica saída da ex-secretária de Estado do Tesouro Alexandra Reis da companhia aérea portuguesa, admitindo que sabia que a indemnização paga tinha sido de 500 mil euros.

"A importância de reconstruir esta fita do tempo foi reforçada com a audição da CEO da TAP no Parlamento e a explícita referência a uma anuência escrita por parte do secretário de Estado [das Infraestruturas], Hugo Mendes", realçou o ex-ministro.

"Da análise complementar à comunicação informal, há efetivamente uma anuência política escrita por parte do secretário de Estado à CEO da TAP", adiantou o socialista.