Desporto

Canoagem portuguesa com cinco medalhas no seu melhor Mundial de sempre

Fernando Pimenta.

Yara Nardi

Veja aqui as medalhas para Portugal.

A canoagem portuguesa encerrou este domingo o longo ciclo olímpico Tóquio 2020 com o seu melhor desempenho de sempre em campeonatos do Mundo, apresentando em Copenhaga uma renovada equipa que conquistou cinco medalhas e colocou alta a 'bitola' para Paris2024.

Fernando Pimenta

Fernando Pimenta, com um currículo de mais de 108 pódios em provas internacionais, voltou a ser a maior referência de uma equipa com grande qualidade, ao mostrar porque há poucos do seu nível na alta competição, já que neste ciclo não falhou um pódio europeu ou mundial tanto no olímpico K1 1.000 metros, no qual foi bronze em Tóquio2020, como no K1 5.000.

Daqui a três anos, a solo ou igualmente em tripulação de equipa, pode tornar-se no único português a conquistar três pódios em Jogos Olímpicos, após ter também sido prata em Londres2012, em K2 1.000, com Emanuel Silva.

Aos 32 anos, Pimenta tem maturidade, experiência e ambição suficientes para fazer com que nos próximos três anos a sua biografia continue a ser escrita com metais preciosos.

Mais medalhas

Depois da prata europeia em K1 500 metros, distância não olímpica, João Ribeiro repetiu o lugar nestes Mundiais, posteriormente a ter liderado o renovado K4 500 que foi 11.º, após falhar a final por escassos 21 centésimos.

Com os olímpicos Emanuel Silva e David Varela a pedirem para terminar antecipadamente a desgastante época, Kevin Santos aproveitou a oportunidade para mostrar, novamente, valor bem seguro para reforçar o K4 500 que já conta com os 'intocáveis' João Ribeiro e Messias Baptista - Ruben Boas é uma promessa que precisa maturar rapidamente para que esta embarcação possa ter seis concorrentes para a integrar.

Teresa Portela, que em outubro completa 34 anos, mostrou estar num dos seus melhores momentos da carreira: depois do sétimo lugar em K1 500 metros e do 10.º em K1 200 nos Jogos Olímpicos, nestas mesmas distâncias foi, respetivamente, sexta e quinta nos Mundiais.

Para Paris2024, já assumiu a "vontade natural" de fazer também tripulações, pelo que integrar igualmente um K2 500 pode ser opção, numa equipa lusa que tem mais material para poder apostar num K4.

Francisca Laia, olímpica no Rio2016, foi a duas finais neste Mundial -- as suas duas primeiras, neste evento -- e estreou-se no pódio, com a prata no K2 200 misto com Messias Baptista, mostrando que deseja voltar aos Jogos Olímpicos já em Paris2024.

A olímpica Joana Vasconcelos, que está grávida, é outro valor seguro, enquanto as jovens Maria Rei e Sara Sotero estão na calha para engrossar as opções técnicas.

Na paracanoagem, Norberto Mourão teve uma época brilhante, com o título Europeu em VL2 200, bem como o bronze no Mundial e nos Jogos Paralímpicos.

Alex Santos foi sexto mundial em KL1 200 e quinto em Tóquio2020.

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia