Economia

Ryanair registou "zero cancelamentos" durante a greve dos tripulantes

Regis Duvignau

Atrasos pontuais estiveram relacionados com o controlo de tráfego aéreo.

A Ryanair registou "zero cancelamentos" durante os cinco dias da greve dos tripulantes, terminada no domingo, de acordo com um comunicado divulgado esta segunda-feira pela empresa.

A companhia aérea garantiu que "operou todo o seu calendário de voos portugueses, com zero cancelamentos, graças ao ótimo trabalho" dos seus pilotos portugueses e da tripulação que "não apoiou esta greve injustificada", segundo a empresa.

Durante os cinco dias, entre 21 e 25 de agosto, a transportadora indicou que "todos os voos de/para Portugal partiram dentro do horário previsto, com uma pontualidade média de mais de 90%", atribuindo atrasos pontuais a questões relacionadas com o controlo de tráfego aéreo.

A paralisação foi convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), com a justificação de que a Ryanair continua a "incumprir com as regras impostas pela legislação portuguesa, nomeadamente no que respeita ao pagamento dos subsídios de férias e de Natal, ao número de dias de férias e à integração no quadro de pessoal dos tripulantes de cabine contratados através das agências Crewlink e Workforce", de acordo com um comunicado do dia 01 de agosto.

A Ryanair salientou, no mesmo comunicado de balanço, que "mantém abertura para trabalhar com o SNPVAC para chegar a um acordo" e apela "a que regressem às conversações o mais depressa possível".

A transportadora garante que propôs um acordo de empresa que responde às preocupações dos tripulantes e que cumpre com a lei portuguesa, oferecendo aumentos nos salários "ao longo de cinco anos" e garantindo que o pessoal já recebe "remunerações bem acima das que são praticadas no mercado local".

Paralelamente, a Ryanair adiantou que pretende continuar com a forma como organiza as escalas e que implica voar em média "apenas 10 ou 12 dias por mês".

A Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) realizou ações inspetivas nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, durante a paralisação, na sequência da denúncia de alegadas irregularidades relacionadas com o direito à greve.

"A ACT tomou conhecimento de alegadas irregularidades relacionadas com o direito à greve dos tripulantes de cabine da companhia aérea Ryanair nos aeroportos do Porto, Lisboa e Faro e desencadeou de imediato uma intervenção inspetiva", afirmou à Lusa fonte oficial da ACT, na quinta-feira.

A Lusa questionou a Ryanair sobre as alegações de que teria cometido irregularidades durante a paralisação, com duplicação de grevistas, entre outras coisas, mas a companhia aérea não respondeu a esta pergunta.

Em 2018, a ACT detetou aspetos irregulares em outra paralisação dos tripulantes da Ryanair e deu conta de que as infrações detetadas naquela greve deram origem a três participações crime junto do Ministério Público, de acordo com a subinspetora-geral da ACT, Fernanda Campos, em declarações à Lusa, na quinta-feira. Fernanda Campos adiantou que as inspeções realizadas no ano passado durante a greve dos trabalhadores da Ryanair foram detetadas infrações muito graves que levaram ao levantamento de autos notícia, cujas coimas aplicáveis podem ir até aos 215 mil euros.

Lusa

  • 1:17