Economia

Ministro muda discurso sobre salário mínimo: "aumento com significado" passa a subida equilibrada

Correspondente SIC

João Leão está em Berlim, onde se estreou numa reunião presencial de ministros das Finanças.

Depois de dizer que havia margem para um aumento com significado do salário mínimo, o ministro das Finanças modera as expectativas e diz que a subida deve ser equilibrada.

João Leão proferiu estas declarações depois de ter ouvido as críticas das confederações patronais e os alertas sobre as dificuldades das empresas para aumentar o salário mínimo.

Patrões dizem que é cedo para falar de aumento do salário mínimo

O ministro das Finanças acredita que há margem para aumentar o salário mínimo no próximo ano, mas patrões dizem que empresas podem não ter capacidade para o fazer.

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) diz que muitas empresas não vão ter capacidade para pagar aumentos e que as palavras de João Leão foram "extemporâneas".

Já na Confederação de Comércio e Serviços (CCP) lembra que ainda há muitas incertezas e que por isso é cedo para fazer em subidas salariais.

Ministro defende aumento do salário mínimo em 2021

O ministro das Finanças, João Leão, defendeu que no próximo ano deve haver margem para aumentar "com significado" o salário mínimo nacional, após uma negociação na Concertação Social.

"A nossa intenção é, no próximo ano prosseguir com o diálogo que tem de ser feito na Concertação Social, com o aumento do salário mínimo e que haja um aumento com significado", afirmou o ministro na Grande Entrevista, transmitida pela RTP3.

João Leão sublinhou que "houve setores muito afetados" pela crise da pandemia de covid-19 "e que há "muitos trabalhadores" a ganhar o salário mínimo, atualmente de 635 euros, mas o Governo entende que "deve haver margem" para aumentar a remuneração mínima.