Economia

Portugal e Países Baixos querem ligar planos de hidrogénio para 2030

Leon Kuegeler

Memorando de entendimento prevê uma estratégia de exportação-importação.

Portugal e os Países Baixos assinaram hoje um memorando de entendimento reforçando a sua intenção de ligar os planos de hidrogénio dos dois países para 2030, um documento que prevê uma estratégia de exportação-importação.

"O ministro do Ambiente e da Ação Climática, da República Portuguesa, e o ministro dos Assuntos Económicos e da Política Climática, dos Países Baixos, assinaram, hoje um memorando de entendimento para afirmar a sua intenção de ligar os planos de hidrogénio de Portugal e dos Países Baixos para 2030", indicou, em comunicado, o Governo português.

De acordo com o Ministério do Ambiente, este documento prevê o desenvolvimento de uma cadeia de valor de exportação-importação, tendo em vista garantir a produção e transporte de hidrogénio verde de Portugal para os Países Baixos, bem como o seu 'hinterland' através dos portos de Sines e Roterdão.

Os dois países comprometeram-se ainda a "dar mais um passo na sua ambição" de contribuir para o desenvolvimento de hidrogénio obtido a partir e fontes renováveis na Europa.

Esta cooperação visa igualmente contribuir para os objetivos climáticos da União Europeia, tendo os dois países reconhecido a importância que os gases renováveis vão desempenhar na descarbonização da Europa.

Neste sentido, "ambos os países promoverão e incentivarão a cooperação institucional, para ajudar a desenvolver cadeias de abastecimento para a exportação de hidrogénio verde", sublinhou o ministério liderado por Matos Fernandes, acrescentando que o primeiro passo será a união de esforços para um 'Important Project Of Common European Interest' (IPCEI) para o hidrogénio.

"Esta parceria com os Países Baixos reforça os compromissos existentes na Estratégia Nacional do Hidrogénio e a vontade de promover uma política industrial baseada em políticas e estratégias públicas que possam ajudar a mobilizar e orientar o investimento público e privado em projetos de hidrogénio, criando assim oportunidades para as empresas e para a indústria", concluiu.