Economia

"A TAP é o novo Novo Banco"

Análise de José Gomes Ferreira.

O Governo vai enviar o plano de reestruturação da TAP para discussão e votação no Parlamento, confirmou uma fonte do Executivo à SIC.

O plano, que tem se ser apresentado até quinta-feira na Comissão Europeia, prevê despedimentos e cortes salariais. Em cima da mesa está o corte de 20 aviões da frota da empresa, cortes salariais de 25% em todo o grupo e o despedimento de três mil trabalhadores, entre eles 500 pilotos e 750 tripulantes de cabine.

José Gomes Ferreira lembra que o princípio de ajuda à TAP não foi ao abrigo das ajudas à pandemia, mas sim no âmbito de um programa que obriga à reestruturação da empresa. Ainda não se sabe, como diz, se Bruxelas vai aceitar a formulaão proposta pelo Executivo português.

"Bruxelas autorizou ajuda de 1.200 milhões de euros, mas em 2021 não é o que está no orçamento, vai ser preciso o dobro", disse José Gomes Ferreira, acrescentando que em 2023 e 2024 o Governo vai ter que continuar a ajudar a TAP, uma situação comparável à do Novo Banco.

A outra solução é liquidar a TAP. Fonte do Governo disse à SIC que o Executivo está ciente do risco que é levar o plano de reestruturação ao Parlamento - pode chumbar - , mas acredita que o PSD percebe que só existem duas soluções: o plano de reestruturação ou a liquidação.Para José Gomes Ferreira, o Governo está a colocar os sociais-democratas entre a espada e a parede.

"Isto é taticismo, vai para o Parlamento para comprometer o PSD", afirmou.

Em relação à pandemia, acredita que foi o fator que desencadeou o processo mas não foi a causa principal da crise vivida na TAP.