Economia

"António Costa optou por reforçar o poder do ministro da Economia"

Loading...

Vítor Matos, do Expresso, analisa as recentes demissões no Ministério da Economia.

O primeiro-ministro demitiu o secretário de Estado da Economia, assim como, terá demitido a secretária de Estado do Turismo. Vítor Matos, do Expresso, entende que entre secretários de Estado e o ministro da Economia "bastante fragilizado", António Costa optou por reforçar o poder de António Costa e Silva. Vítor Matos defende que num Ministério tem de existir "autoridade e concordância" e isso não ficou claro quando os secretários desautorizaram o ministro da Economia em público.

"Se não houver uma autoridade ou uma concordância entre os secretários de Estado e o ministro, o Governo torna-se ingerível", entende Vítor Matos.

Vítor Matos concorda que as divergências entre os secretários de Estado e o ministro da Economia deu-se com a descida transversal do IRC.

Com a demissão dos secretários, surgem as mexidas e o comentador entende que se esta remodelação passar por mais pastas é sinal de o Governo está a "assumir problemas internos e falhas de governação".