Afeganistão

Fundador dos Talibã diz que punições extremas vão regressar no Afeganistão

O grupo radical islâmico garante que o país está mais seguro.

Mais de um mês depois do regresso dos talibã ao poder no Afeganistão, o grupo radical islâmico garante que o país está mais seguro. Ainda assim, uma bomba explodiu na manhã deste sábado na cidade de Jalalabad.

O ataque ainda não foi reivindicado, mas traz à memória o ataque da semana passada do Daesh-K, mais um na província de Nangarhar, onde o grupo sunita radical se fixou em 2015.

Entretanto, um dos fundadores do movimento talibã e um dos membros mais conservadores do grupo radical islâmico já anunciou que as punições extremas como execuções e amputações vão ser retomadas. Com uma situação política instável, o país lida com uma grave situação económica.

As Nações Unidas alertam que 95% da população não vai ter o suficiente para comer. À seca que o Afeganistão atravessa, juntam-se a falta de emprego, a subida dos preços e o congelamento das reservas monetárias do Banco Central afegão pelos Estados Unidos.

A ONU apela à comunidade internacional para ajudar o Afeganistão e doar recursos a juntar aos mais de mil milhões de dólares já angariados.

VEJA TAMBÉM:

  • A escola como uma gigantesca perda de tempo

    País

    Pode ser Eva. Fez um teste de Geografia e foi a única da turma a ter negativa. Dos seus olhos formosos e inexpressivos, num rosto negro como o touro do Herberto Helder, ruíram-lhe duas lágrimas. Mas daquelas que represam tanta água - tanta mágoa - que deixam cicatrizes aquosas. 43%.

    Opinião

    Rui Correia