Eleições Autárquicas

Jerónimo reafirma liderança do PCP: "Autárquicas não são determinantes no plano da definição da política nacional"

O secretário-geral dos comunistas reconhece que o resultado ficou "aquém dos objetivos".

A CDU perdeu seis autarquias em todo o país. Jerónimo de Sousa admite que o resultado ficou aquém dos objetivos, mas reafirma que continuará, para já, como secretário-geral do PCP.

Há mais de 40 anos que as autarquias de Mora e de Montemor-o-Novo, no distrito de Évora, eram lideradas pela CDU. Os bastiões da coligação, que pareciam inquebráveis, foram nestas autárquicas entregues ao PS.

Entre as perdas, destaca-se ainda Loures: Bernardino Soares estava à frente da autarquia há oito anos e perdeu-a agora para o PS.

Vila Viçosa foi outro dos municípios perdidos. A CDU ficou em terceiro lugar, a seguir à coligação do PSD/CDS e ao PS.

E em Almada – onde o PCP apostava em forma com o ex-autarca de Setúbal, Dores Meira – a vitória foi de Inês Medeiros, que se recandidatou pelo PS. Outra câmara emblemática na margem sul, a Moita, também foi perdida para os socialistas.

Mas, entre as derrotas, há duas pequenas boas notícias para a CDU: a conquista de Viana do Alentejo e de Barrancos, que forma “roubadas” ao PS.

A maior das vitórias veio de Lisboa, onde João Ferreira foi reeleito vereador com mais de 10% dos votos.

Independentemente dos resultados alcançados nestas autárquicas, Jerónimo de Sousa reafirma que irá continuar no cargo de secretário-geral do PCP.

Entre as perdas e ganhos, a CDU ficou com 18 câmaras em todo o país, menos seis do que tinha conseguido em 2017.

► SAIBA TUDO O QUE SE PASSOU NA NOITE DAS AUTÁRQUICAS

► VEJA MAIS: