Coronavírus

Quanto tempo sobrevive o novo coronavírus em superfícies contaminadas?

Stefan Wermuth / Reuters

Um novo estudo indica que o novo coronavírus 2019-nCoV pode sobreviver mais tempo do que se pensava.

Especial Coronavírus

O novo coronavírus 2019-nCoV (responsável pela doeça ou infeção Covid-19) ainda é um mistério e pouco se sabe sobre a sua transmissão e contágio.

Não se sabe exatamente quanto tempo o novo coronavírus pode sobreviver em superfícies com o potencial de infetar pessoas, mas os cientistas estão a tentar encontrar pistas estudando os outros coronavírus.

Civeta

Civeta

BULLIT MARQUEZ / AP

Os coronavírus são um grande grupo de vírus comuns entre os animais. Em casos raros, podem ser transmitidos de animais para seres humanos.

Não se sabe qual o animal na origem do atual surto de novo coronavírus em Wuhan, China, mas há algumas boas pistas sobre os outros coronavírus: a SARS-Síndrome Respiratória Aguda Grave teve origem em civetas, um mamífero carnívoro, enquanto a MERS - Síndrome Respiratória do Médio Oriente, passou para os humanos depois de contacto com camelos.

Os coronavírus SARS e MERS persistem em superfícies até 9 dias

Na investigação dos Centros dos EUA para Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) verificou-se que os coronavírus SARS e MERS persistem em superfícies - incluindo superfícies de metal, vidro ou plástico - até nove dias se essa superfície não tiver sido desinfetada, de acordo com investigação publicada no início deste mês no Jornal de infecção hospitalar.

A limpeza com produtos domésticos comuns pode fazer a diferença, de acordo com a pesquisa, que também descobriu que os coronavírus "podem ser desativados eficientemente através de procedimentos de desinfecção de superfície com 62-71% de etanol (álcool etílico), 0,5% de peróxido de hidrogénio (água oxigenada) ou 0,1% de hipoclorito de sódio" ou seja, lixívia.

Esta nova pesquisa envolveu a análise de 22 estudos publicados anteriormente sobre coronavírus humanos e animais.

"Com base nos dados atuais disponíveis, confio principalmente nos dados do coronavírus SARS, que é o parente mais próximo do novo coronavírus - com 80% de semelhança de sequência genética".

Segundo disse à CNN Charles Chiu, professor de doenças infecciosas da Universidade da Califórnia e diretor do Centro de Descoberta e Diagnóstico Viral da USCF-Abbot, que não esteve envolvido nesta nova investigação.

"No entanto, é muito difícil extrapolar essas descobertas para o novo coronavírus devido às diferentes estirpes, títulos virais e condições ambientais que foram testadas nos vários estudos e à falta de dados sobre o novo coronavírus", acrescentou. "é preciso mais investigação com culturas do novo coronavírus para estabelecer a duração exata de sobrevivência em superfícies".

O que são coronavírus?

É de relembrar que os coronavírus não são novidade, são um grande grupo de vírus comuns entre os animais.

Os coronavírus (CoV) são uma grande família de vírus que causam doenças que variam da constipação comum a doenças mais graves, como a Síndrome Respiratória do Médio Oriente (MERS-CoV) e a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV). O novo coronavírus (2019-nCoV) é uma nova estirpe que não tinha sido previamente identificada em humanos, explica a OMS.

Assim:

Covid-19 deriva do inglês corona virus disease - doença por coronavírus.

2019-nCoV é uma nova estirpe de coronavírus que não tinha sido identificada antes do surto que começou em Wuhan, na China, em dezembro de 2019.

Tal como outras doenças respiratórias, a infeção pelo 2019-nCoV pode causar sintomas leves mas pode ser mais grave para algumas pessoas e pode levar a pneumonia ou dificuldades respiratórias. Mais raramente, a doença pode ser fatal. Pessoas idosas ou com condições médicas pré-existentes (como diabetes e doenças cardíacas) parecem ser mais vulneráveis a ficar gravemente doentes com o vírus.

Recomendações para prevenir contágio

Algumas das recomendações à população pela Organização Mundial da Saúde e pela Direção-geral da Saúde portuguesa:

  • Lavagem frequente das mãos com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;

  • Ao tossir ou espirrar, fazê-lo não para as mãos, mas para o cotovelo ou para um lenço descartável que deve ser deitado fora de imediato;

  • Evitar contacto próximo com quem tem febre ou tosse;

  • Evitar contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;

  • Deve ser evitado o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.

Veja também:

Mapa interativo mostra em tempo real os países afetados pelo coronavírus

A Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, criou, em conjunto com outras entidades, um mapa interativo que permite acompanhar a evolução do coronavírus no mundo.

  • Terceiro período do ensino básico à distância. Exames do secundário adiados

    Coronavírus

    O terceiro período do ano letivo no ensino básico arranca no próximo dia 14, mas sem atividades letivas presenciais e com apoio de transmissões televisivas. Os exames nacionais do 11.º e 12.º anos foram adiados e o ano letivo pode estender-se até 26 de junho. Portugal regista 409 mortes e 13.956 infetados pelo novo coronavírus. Siga aqui ao minuto as últimas informações sobre a pandemia da Covid-19.

    Direto

    SIC Notícias