Coronavírus

Albânia e Bulgária registam primeiras mortes por infeção do coronavírus

Edgar Su

A Organização Mundial de Saúde declarou doença Covid-19 como pandemia.

Especial Coronavírus

A Albânia e a Bulgária anunciaram hoje as primeiras mortes pelo novo coronavírus na região dos Balcãs. Segundo as autoridades dos dois países, a epidemia de Covid-19 provocou a morte de duas mulheres: uma de 73 anos, no hospital da cidade de Durres, a noroeste de Tirana, na Albânia e outra de 66 anos diagnosticada na terça-feira na Bulgária.

Ambas as pacientes sofriam de doenças crónicas. De acordo com o responsável da unidade de prevenção do coronavírus na Bulgária, Ventseslav Moutaftchiyski, a mulher foi hospitalizada na terça-feira "num estado extremamente grave, com uma pneumonia bilateral".

A paciente desmaiou enquanto visitava o marido, que já estava hospitalizado em estado grave devido ao novo coronavírus.

Na Albânia, após ter sido registada a primeira morte, o primeiro-ministro, Edi Rama, anunciou o encerramento de bares, restaurantes e discotecas em Durres e na capital.

Pedindo desculpas por "esta medida", o chefe do Governo acrescentou na rede social Facebook que "não era altura para férias ou divertimento, mas para guerra, que só será ganha se (...) mudar radicalmente os estilos de vida".

No início da semana, as autoridades albanesas já tinham decidido fechar escolas durante duas semanas e cancelar encontros públicos.As ligações marítimas e aéreas entre a Albânia e a Itália também foram canceladas até ao início de abril.

Na Bulgária, antes do anúncio da primeira morte, as autoridades tinham ordenado controlos de saúde nas fronteiras terrestres e nos aeroportos búlgaros e encerrado a Universidade de Sófia até 15 de março.

Até ao momento, a Bulgária identificou sete casos de contaminação pelo novo coronavírus, enquanto a Albânia registou 12.

O número de infetados ultrapassou as 120 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 61 casos confirmados.

Face ao avanço da epidemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 10.000 infetados e pelo menos 631 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

Veja também: