Coronavírus

Japão mantém intenção de acolher Jogos Olímpicos

Athit Perawongmetha

De 24 de julho a 09 de agosto, como planeado.

Saiba mais...

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, declarou este sábado que o seu país mantém a intenção de organizar os Jogos Olímpicos Tóquio2020, de 24 de julho a 09 de agosto, como planeado.

O governante frisou que o Japão continua "a coordenar bem" com o Comité Olímpico Internacional (COI): "Temos que ultrapassar a infeção [pandemia do Covid-19] e queremos receber os Olímpicos e Paralímpicos, tal como planeado".

Shinzo Abe disse ainda não ter discutido o possível adiamento ou cancelamento durante as conversas que manteve com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que sugeriu esta semana o adiamento do evento devido ao novo coronavírus.

O responsável do governo japonês acrescentou também que o vírus não atingiu um ponto que o faça declarar o estado de emergência nacional, como acontece na Europa ou nos Estados Unidos.

No Japão são 754 os casos de pessoas infetadas e 21 mortes associadas à doença.

O novo coronavírus responsável pela pandemia de Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.500 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 143 mil pessoas, com casos registados em mais de 135 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 169 casos confirmados.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE O SURTO DE COVID-19

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros